Líderes religiosos africanos chamados a ajudar no combate à mutilação genital

PorExpresso das Ilhas,20 jun 2019 15:38

1

Líderes religiosos na África devem se manifestar contra a prática da mutilação genital feminina, que afeta milhões de crianças em todo o continente, recomendou conferência internacional sobre o tema, em Dacar, na terça-feira.

A mutilação genital feminina (MGF) "constitui um perigo e um ataque físico à integridade física das mulheres", disse o imã senegalês Abdou Aziz Kane à Agência France Presse à margem da conferência de três dias realizada em Dacar para discutir esta problemática também denominada circuncisão feminina e geralmente realizada em meninas com menos de sete anos de idade.

Os participantes no encontro concordaram que os líderes religiosos têm um papel central na eliminação tanto da mutilação genital quanto dos casamentos arranjados, práticas tradicionais que afetam milhões de crianças em África.

Conforme a AFP o convite aos líderes religiosos e tradicionais foi no sentido de "promover o diálogo dentro de suas comunidades para desafiar as ideias herdadas do passado, segundo as quais o casamento de crianças e a mutilação genital são práticas aceitáveis".

disse a declaração final do encontro organizado pelo Senegal, Gâmbia e a ONG Mãos Seguras para Meninas.

A conferência, que reuniu cerca de 500 membros de ONGs, associações de vítimas e funcionários do governo de uma dúzia de países, bem como instituições internacionais como o Banco Mundial, foi organizada pelo Senegal, Gâmbia e a ONG Mãos Seguras para Meninas, tendo produzido uma declaração final que ressalta ainda que "a religião ainda é um grande problema no terreno”.

“As pessoas acreditam que essas práticas são uma obrigação religiosa”, disse disse à AFP Lisa Camara, coordenadora da Gâmbia para as Mãos Seguras para Meninas, juntando que acredita que a cúpula realizada em Dacar “trará mudanças e fará com que nossa causa avance".

Em Novembro último, um relatório dava conta que ao longo das últimas três décadas as taxas de mutilação genital feminina entre meninas menores de 14 anos caíram acentuadamente na maioria das regiões de África.

A nivel mundial, mais de 3 milhões de meninas por ano enfrentam ameaça de mutilação genital sendo que mais de 200 milhões de mulheres hoje vivas lidam com o sofrimento provocado pela excisão genital.

O antigo ritual de cortar ou remover o clitóris de mulheres jovens tem sido criticado por defensores dos direitos humanos e das mulheres e pode levar a uma série de complicações físicas, psicológicas e sexuais.

E, no entanto, continua sendo difundida em partes da África e do Oriente Médio. É o caso da Somália onde relatório da UNICEF divulgado em 2016 dizia que 98% das mulheres e meninas desse país da África Oriental foram cortadas.

Ainda conforme a UNICEF, em África 39% das meninas se casam antes de completarem 18 anos.

Das recomendações saídas do encontro de Dacar também consta uma dirigida aos governos africanos no sentido de reforçarem a promoção da igualdade entre os sexos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,20 jun 2019 15:38

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  20 mar 2020 23:20

1

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.