Governo chinês aperta controlo sobre Wuhan

PorExpresso das Ilhas,7 fev 2020 11:20

As autoridades chinesas em Whuan estão a recorrer a medidas cada vez mais extremas para tentar deter a propagação do coronavírus, ordenando buscas de casa em casa, reunindo os doentes e armazenando-os em enormes centros de quarentena, segundo relata o New York Times.

As medidas urgentes, aparentemente improvisadas e iniciadas desde a passada quinta-feira, surgem por causa da crise humanitária crescente em Wuhan, exacerbada por tácticas que deixaram esta cidade de 11 milhões de habitantes com uma taxa de morte do coronavírus de 4,1% - mais alta do que a taxa de 0,17% do resto do país.

“Com os doentes a serem levados para campos de quarentena improvisados, com cuidados médicos mínimos, um sentimento crescente de abandono e medo tomou conta de Wuhan, alimentando a sensação de que a cidade e a província de Hubei estão a ser sacrificadas para o bem maior da China”, escreve ainda o New York Times.

Estas movimentações em Wuhan, o epicentro do surto, são, como refere aquele periódico norte-americano, uma sinalização clara para o alarme do Partido Comunista que não terá conseguido controlar a epidemia do coronavírus, que sobrecarregou o sistema de saúde do país e ameaçou paralisar a China, o país mais populoso do mundo e a segunda maior economia.

Os novos passos foram anunciados pela alta funcionária que lidera a resposta do país ao vírus, a vice-primeiro-ministro Sun Chunlan, quando visitou Wuhan na quinta-feira. E “evocaram imagens das medidas de emergência tomadas para combater a pandemia da gripe espanhola de 1918, que matou dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo. Apesar da severidade das novas medidas, porém, elas não ofereceram nenhuma garantia de sucesso”, relembra o NYT.

A cidade e o campo enfrentam "condições de guerra", disse Sun ouvida pelo NYT. "Não deve haver desertores, ou eles serão pregados ao pilar da vergonha histórica para sempre."

A imposição das novas restrições assumiu aspectos de uma campanha militar, já que a vice-primeiro-ministro ordenou aos trabalhadores médicos que se mobilizassem em turnos de 24 horas para visitar cada casa em Wuhan, verificar a temperatura de todos os residentes e entrevistar os contactos próximos de quaisquer pacientes infectados.

A notícia das novas restrições chegou quando o povo de Wuhan recebeu a notícia de que um médico que tinha avisado do surto em Dezembro - e foi silenciado pela polícia por isso - tinha morrido da infecção pelo coronavírus. O Hospital Central da Cidade de Wuhan disse, num post publicado nas suas redes sociais, que seus esforços para salvar o médico, Li Wenliang, haviam falhado.

"Lamentamos profundamente e lamentamos isso", disse o comunicado.

Wuhan já havia sido basicamente encerrado e isolado por causa do contágio que começou há mais de um mês. O encerramento do transporte dificultou o reabastecimento de suprimentos médicos para as mais de 50 milhões de pessoas da província, e levantou a possibilidade de que a escassez de alimentos possa ocorrer em breve.

As novas medidas foram anunciadas duas semanas depois de a China ter impedido as pessoas de saírem de Wuhan, restrição depois expandidao às cidades da província central de Hubei. Actualmente mais de 50 milhões de pessoas - uma contenção de alcance quase inimaginável - estão confinadas.

Ainda assim, o número de infecções confirmadas duplicou aproximadamente a cada quatro dias, atingindo mais cidades e vilas chinesas, e os especialistas têm questionado se as acções do governo não estarão a levantar entraves indevidos às pessoas enquanto fazem pouco para retardar a epidemia.

Num balanço realizado hoje, os números do governo mostraram que o vírus matou pelo menos 636 pessoas e infectou pelo menos 31.161, e muitos acreditam que essas estatísticas oficiais estão longe de estar completas. A taxa de mortalidade na província de Hubei como um todo foi de 2,8%, segundo registos de quinta-feira.

As autoridades começaram a encaminhar pacientes em Wuhan para hospitais improvisados - incluindo um estádio desportivo, um centro de exposições e um complexo de edifícios - que se destinam a abrigar milhares de pessoas. Ao inspeccionar um dos centros, instalado no Estádio de Hongshan, Sun Chunlan disse que qualquer pessoa que necessite de tratamento deve ser reunida, se necessário, e forçada a entrar em quarentena.

"Deve ser isolado da fonte", disse ela sobre o vírus, dirigindo-se às autoridades da cidade no abrigo, de acordo com uma agência noticiosa chinesa, a Modern Express. "Devemos ficar atentos. Não os podemos perder de vista."

Não ficou claro como é que as instalações já sobrecarregadas podiam lidar com um afluxo à escala que a governante sugere, nem se os novos abrigos estão equipados ou dotados de pessoal para prestar até cuidados básicos aos doentes e proteger contra a propagação do vírus.

O NYT relata ainda que o presidente chinês, Xi Jinping, chamou a epidemia de "um grande teste ao sistema e à capacidade de governança da China", na segunda-feira. Depois, aparecer em público com o primeiro-ministro Hun Sen do Camboja dois dias depois, Xi disse que os esforços do governo chinês estavam "alcançando resultados positivos".

Xi não fez uma aparição pública esta quinta-feira, aparentemente delegando a responsabilidade pela crise aos deputados, que adoptaram todos o tom militarista definido pelo People's Daily esta semana, quando descreveu a campanha para conter a epidemia como uma "guerra do povo".

Mesmo assim, havia sinais crescentes de que as restrições à entrada e saída de Hubei estavam a dificultar o reabastecimento de medicamentos, máscaras protectoras e outras necessidades, apesar das promessas feitas por Pequim e por empresas privadas e instituições de caridade de que a ajuda estava a caminho.

"Isto é quase um desastre humanitário, porque não há suprimentos médicos suficientes", disse Willy Wo-Lap Lam, professor adjunto do Centro de Estudos da China da Universidade Chinesa de Hong Kong, citado pelo NYT.

"O povo de Wuhan parece ser ter deixado abandonado à sua sorte", reforça Willy Wo-Lap Lam.

Muitos especialistas médicos acreditam que o número de infectados - e daqueles que morreram - é maior do que a contagem oficial. Muitos residentes de Wuhan que não estão bem, mas não sabem se têm a doença, foram forçados a ir de hospital em hospital a pé, apenas para serem afastados e sem  mesmo terem sido testados para o vírus nem tratados.

Outros cidadão deambulam com roupas de protecção completas ou com medidas de segurança improvisadas, como sacos plásticos em suas cabeças. Muitos recorreram à auto-quarentena em casa, arriscando a propagação do vírus dentro das famílias e bairros.

A epidemia está a paralisar grande parte da China, mesmo longe de Wuhan. A cada dia surgem relatos de mais cidades efectivamente isoladas, eventos públicos e reuniões canceladas para lá de até Fevereiro e escolas que se preparam para adiar sua reabertura pós-Ano Novo Lunar.

O impacto também se espalhou através das fronteiras da China, apesar dos esforços frenéticos do governo para responder à epidemia enquanto a retratava publicamente como uma crise controlável. Quase 200 infecções com o vírus foram confirmadas em cerca de duas dúzias de outros países e territórios, e dois dos pacientes fora da China morreram.

Outros países intensificaram seus próprios esforços para colocar em quarentena os pacientes, incluindo em dois navios de cruzeiro. Empresas globais que dependem do enorme mercado e das cadeias de abastecimento da China estão a fazer esforços para lidar com as interrupções causadas pelo coronavírus, uma prova do quanto elas passaram a depender da economia chinesa.

Em Wuhan, a primeira preocupação é a situação humanitária de uma cidade que começa a sua terceira semana em estado de sítio. A confusão causada por apelos generalizados à acção no topo e uma situação caótica no terreno indicavam que o governo chinês ainda não conseguiu lidar com a crise.

Wang Chen, especialista em respiração que é presidente da Academia Chinesa de Ciências Médicas, disse que os novos locais de tratamento improvisado foram projectados para combater as transmissões dentro dos lares e bairros.

"Se um grande número de pacientes com sintomas leves vive em casa ou pacientes suspeitos vagueiam pela comunidade, eles vão tornar-se a principal fonte de propagação do vírus", disse o Wang, segundo a agência de notícias Xinhua.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,7 fev 2020 11:20

Editado porAndre Amaral  em  29 mar 2020 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.