Unicef alerta para risco de desnutrição de 6,7 milhões de crianças

PorExpresso das Ilhas, Lusa,28 jul 2020 7:28

Cerca de 6,7 milhões de crianças com menos de cinco anos correm o risco de sofrer níveis perigosos de desnutrição este ano devido à pandemia do novo coronavírus, alertou a Unicef.

A partir de uma análise publicada na revista The Lancet, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) observou que 80% das crianças em risco vivem na África subsaariana e no sul da Ásia.

"Faz sete meses desde que os primeiros casos da covid-19 foram relatados e é cada vez mais claro que as repercussões da pandemia estão a prejudicar as crianças mais do que a própria doença", afirmou, em comunicado, a directora executiva da Unicef, Henrietta Fore.

A mesma responsável lembrou que as taxas de pobreza das famílias e a insegurança alimentar aumentaram, com cortes nos serviços essenciais de nutrição e nas cadeias de abastecimento, e com acentuados aumentos nos preços dos alimentos em alguns lugares.

"Como resultado, a qualidade da dieta das crianças piorou e a taxa de desnutrição aumentará", salientou.

A análise publicada no The Lancet apontou para um possível aumento do desperdício, uma forma de desnutrição que põe em risco a vida das crianças, deixando-as muito magras e fracas.

Como a agência lembrou "desperdiçar não só pode causar a morte, mas também causa deficiências no crescimento, desenvolvimento e aprendizagem".

A Unicef estimou que cerca de 47 milhões de crianças sofreram com esse problema em 2019, antes da pandemia, e alertou que, se não houver ações urgentes, esse número poderá chegar aos 54 milhões em 2020.

Isso, sublinhou a agência da ONU, colocaria o lixo global em níveis nunca vistos até agora neste século.

O aumento do desperdício nos países em desenvolvimento como resultado da covid-19 pode chegar a 14,3%, o que se traduz em mais de dez mil mortes infantis por mês, mais de 50% delas na África subsaariana, de acordo com a Unicef.

Além disso, a mesma responsável sublinhou que o agravamento da dieta e a interrupção dos serviços de nutrição vão piorar outras formas de desnutrição em crianças e mulheres, como o nanismo, deficiência de micronutrientes, sobrepeso e obesidade.

Segundo a Unicef, nos primeiros meses da pandemia houve uma redução geral de 30% na cobertura de serviços vitais de nutrição, com alguns países a registarem uma interrupção muito maior.

Entre outros, no Haiti, o medo de contágio e a falta de equipamento de proteção para os profissionais de saúde levaram a uma redução estimada de 73% nos internamentos para tratar subnutrição grave em crianças.

De acordo com as estimativas da UNICEF, mais de 250 milhões de crianças em todo o mundo não estão a receber suplementos de vitamina A devido à covid-19.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,28 jul 2020 7:28

Editado porAndre Amaral  em  9 ago 2020 18:19

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.