​Praga de gafanhotos do deserto agrava crise humanitária no Iêmen

PorExpresso das Ilhas, Onu News,1 nov 2020 10:54

Os insetos estão a destruir as colheitas em muitas partes Iêmen, que já enfrentava a maior crise humanitária do mundo, com dois terços da população a precisar de apoio.

Cerca de 24,1 milhões de iemenitas, mais de dois terços da população, precisam de algum tipo de apoio humanitário ou de proteção, sobretudo devido a crise humanitária, criada por quatro anos de conflito.

“Nuvens de gafanhotos atacaram as fazendas, não conseguimos escapara nenhuma safra e agora comem a forragem do animal, usada para alimentar as ovelhas”, conta Musae'ed Mubarak Ali Al-Gunaimi, fazendeiro e pastor do vilarejo de Hareeb..

Os gafanhotos também atacaram plantações de rabanete, cebola, gergelim, agrião e até tâmaras, resultando em perdas significativas para os agricultores.

Outro fazendeiro, Hussain Mohamed Abdullah Al-Zubaidi, da localidade de Ar Rudud, disse que “os gafanhotos comeram tudo em quatro dias deixaram nada além dos gravetos”.

O Iêmen é um terreno fértil para gafanhotos do deserto. A FAO afirma que controlar a infestação no país” é crucial” para prevenir uma nova propagação da praga no Sudeste de África e no Sudoeste Asiático.

A agência está a apoiar as operações de controlo com meios logísticos, fornecendo mais de 14,8 mil litros de pesticidas e a treinar 393 equipas de campo em técnicas de controle, saúde, segurança e práticas ambientais.

Apesar dos esforços, nem todas as áreas do país são acessíveis principalmente devido à situação de segurança, o que dá aos gafanhotos tempo e espaço para reprodução.

O gafanhoto do deserto é considerado a praga migratória mais prejudicial do mundo. A cada três meses, um ciclo de criação, pode multiplicar os seus números 20 vezes.

Em cada km2, pode haver de 40 a 80 milhões de insetos e as nuvens chegam a variar de menos de um quilômetro quadrado a várias centenas de quilômetros quadrados. Uma pequena nuvem pode comer a mesma quantidade que 35 mil pessoas em um só dia.

Devido às mudanças sazonais do clima, eles estão a mover-se a procura de vegetação para comer, o que está a causar um aumento da atividade na costa do Iêmen e em outras áreas da Península Arábica.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Onu News,1 nov 2020 10:54

Editado pormaria Fortes  em  7 ago 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.