São-tomenses votam para escolher próximo Presidente

PorExpresso das Ilhas, Lusa,18 jul 2021 9:52

​Algumas dezenas de eleitores aguardavam esta manhã a sua vez de votar nas presidenciais de São Tomé e Príncipe, pouco depois da abertura das urnas, às 07:00 locais, em diferentes locais de voto na capital são-tomense.

O são-tomense Manuel Ribeiro, 69 anos, foi um dos primeiros a chegar à escola D. Maria de Jesus. Passa pouco das 07:00 mas o sol já aquece e o homem puxa uma cadeira para a sombra.

“Ainda…”, responde, quando questionado se já votou, no jeito são-tomense de dizer que não.

Preferiu ir votar cedo, com “uma condição boa”, sem confusões.

“Lá mais para a tardinha, às 14:00 ou 15:00, é que as pessoas vêm a correr”, descreve, acrescentando: “Há quem espere para ver se sai alguma coisa”, enquanto esfrega o polegar e indicador para representar dinheiro, numa alusão ao chamado ‘banho’, a prática de dar dinheiro em troca de votos, que normalmente se intensifica com o aproximar da hora de fecho das urnas, marcada para as 17:00.

Dois elementos da missão da observação eleitoral da Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC) já estão no local. É uma das missões enviadas para estas eleições, além da da União Africana.

Respondendo ao apelo das autoridades sobre o respeito das regras sanitárias para conter a propagação de covid-19, os eleitores levam a sua máscara, algo pouco visto em São Tomé, onde o seu uso não é obrigatório no exterior.

À entrada da mesa de voto, todos os eleitores têm de desinfectar as mãos com álcool-gel, mas há quem reclame.

“Isso é brincadeira, o Governo não tem responsabilidade. No momento da campanha, ninguém usava máscaras”, critica Odaír, 38 anos.

Erandina, 40 anos, preferiu sair cedo de casa para votar para “evitar aglomerações”.

Espera que a votação de hoje “corra bem”, mas admite que seja necessária uma segunda volta das eleições, porque “são vários candidatos”.

A lista longa de 19 candidatos obriga a que o boletim de voto se assemelhe a uma tira de papel, quase de tamanho A3.

A votação desenrola-se em duas salas, cada uma com apenas uma cabine de voto, em que o eleitor fica visível, de costas, para os delegados que se encontram em cada mesa de voto. Uma forma de procurar evitar fraudes e a prática do ‘banho’, em que o eleitor fotograva o boletim para comprovar o voto em determinado candidato, de forma a receber dinheiro.

No Bairro do Hospital, o cenário repete-se no Centro de Interacção Jovem.

Jorge, 30 anos, já votou e exibe o indicador da mão direita, com uma cruz pintada a marcador, sinal de que já exerceu o seu direito.

É delegado, pela candidatura de Júlio Silva, e por isso vai passar o dia nesta mesa de voto, para se revezar com outro colega que está no interior da sala.

“Espero que a população esteja disposta a votar. Aqueles que não querem sair de casa… têm de contribuir para o bem do Estado”, comenta.

À saída do local de voto, há quem já se prepare para regressar dentro de algumas semanas: “Queira ou não queira, para a segunda volta nós estamos aí”, afirma um homem.

“Vai lá votar”, diz outro para um amigo, já a sair da mesa de voto. “Eu já votei, são 19 ladrões. Só o número 20 não é ladrão”, atira, com uma gargalhada.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,18 jul 2021 9:52

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 jul 2021 9:20

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.