Nova Zelândia abandona a estratégia de eliminação total da Covid-19

PorExpresso das Ilhas, Lusa,4 out 2021 7:17

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou hoje que vai mudar a estratégia de eliminação total da covid-19 para um novo modelo que tem em conta as taxas de vacinação para flexibilizar as restrições à circulação.

"A eliminação foi importante porque não tínhamos vacinas. Agora sim, para que possamos começar a mudar a forma como fazemos as coisas. Temos mais opções e temos boas razões para estar otimistas quanto ao futuro, mas não podemos apressar as coisas", disse Jacinda Ardern numa conferência de imprensa.

Ardern salientou que, apesar desta mudança, ainda é necessário "conter e controlar o vírus tanto quanto possível" para esta transição.

"As vacinas significam que no futuro podemos fazer as coisas de forma diferente, mas mesmo assim, a nossa estratégia mantém-se: enquanto os casos continuarem, queremos controlar o vírus, acabar com os casos e prevenir as admissões hospitalares. Com as vacinas temos mais opções", frisou.

Esta é a primeira vez que o Governo da Nova Zelândia reconhece publicamente que está a abandonar a sua estratégia de eliminação total do coronavírus, o que lhe valeu o reconhecimento como o país mais bem-sucedido na luta contra a pandemia, com apenas 4.352 infecções e 27 mortes até agora.

Contudo, as autoridades não conseguiram controlar o surto que afectou a cidade de Auckland em Agosto, o pior desde o início da pandemia com 1.314 infeções, apesar do confinamento rigoroso que está em vigor há sete semanas na cidade.

A responsável anunciou ainda que as restrições na cidade seriam aliviadas por fases, com grupos de até 10 pessoas de até duas famílias diferentes autorizadas a reunir-se nas ruas a partir da meia-noite de terça-feira e com a reabertura de centros de educação infantil.

Ardern disse que os confinamentos rigorosos poderiam terminar quando 90 por cento da população elegível para a vacina tiver o regime completo, um número que ainda está muito longe num país onde apenas 46% dos maiores de 12 anos receberam ambas as doses e 76% têm pelo menos uma.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,4 out 2021 7:17

Editado porAndre Amaral  em  29 nov 2021 23:20

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.