Guiné-Bissau: A escola comunitária que começou à sombra de uma árvore e hoje tem mais de mil alunos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,7 mai 2022 8:50

​A Escola Privada Humberto Braima Sambu, em Bissau, tem hoje mais de 1.000 alunos e 53 professores, mas começou em 1993 à sombra de uma árvore, porque o seu fundador gostava de ajudar as crianças que não tinham acesso à escola.

“Quando estava aqui a estudar em Bissau em 1992 no Bairro Militar via muitas crianças que não tinham escola e a ideia era só ajudar as crianças que estavam perto de mim, que não tinham acesso à escola”, contou à Lusa o professor Humberto, como é carinhosamente tratado por todos o que o rodeiam.

“Começámos a dar explicações nas varandas e depois começaram a vir muitas crianças e decidimos procurar uma sombra debaixo de uma árvore e começou a ideia de ajudar sempre as crianças que não têm acesso à escola”, explicou à Lusa.

A sombra do poilão do Bairro Militar ainda lá está, mas a escola passou para a zona de Plack 1, também no mesmo bairro, para um espaço cedido pela Câmara Municipal de Bissau, onde foi sendo construída com a ajuda de uma organização não-governamental italiana, que deu apoio financeiro.

Hoje, são 1.100 alunos que a frequentam, entre primária e secundário, divididos por vários turnos, incluindo à noite, quando são dadas as aulas de alfabetização em português e para trabalhadores-estudantes.

“Alfabetizamos porque temos muitas mulheres que não tinham acesso à escola nas tabancas, principalmente as oriundas das zonas rurais que vieram para Bissau procurar uma melhor vida. Chegaram cá e vieram ter comigo e criámos uma turma”, disse Humberto Sambú.

Para o futuro, o professor já está a pensar em formação profissional e em construir mais salas, porque a “comunidade está a crescer”, a tentar conseguir mais apoios e mais apadrinhamentos, porque cerca de 30% das crianças que frequentam o seu estabelecimento de ensino não têm dinheiro para a pagar.

Às mães das crianças, pede que “continuem a deixá-las ir à escola, porque a escola é um pilar para o desenvolvimento de qualquer sociedade, de um país. Para os jovens, a iniciativa é muito importante”.

“Na natureza, as coisas começam de pequenino para grande”, afirmou.

Para o professor Humberto, todos conseguem carregar um poilão, que é a árvore de maior porte da Guiné-Bissau e considerada sagrada.

“O poilão começa com uma semente e todos conseguimos transportá-lo e levá-lo para onde queremos”, disse.

“E a iniciativa é isso. Começa de pequeno e depois cresce e fica grande”, afirmou, salientando que ele é um exemplo de uma semente de poilão porque começou a sua iniciativa na sombra de uma árvore, que hoje é uma escola que ainda não parou de crescer.

E o próprio professor Humberto foi deixando sementes pelo caminho e uma delas é Avelino Vaz.

“Eu fui um dos primeiros alunos do professor Humberto. Ele foi o meu primeiro professor na década de 90. A escola começa em 1993 e eu chego à escola em 1996. Nessa altura, levávamos banquinhos para nos sentarmos e colocávamos os cadernos ao colo para escrever”, recordou.

“É incrível hoje olhar para trás e ver como a escola ficou gigante. Foi muito trabalho e empenho para fazer a escola ser o que ela é hoje. Para mim é uma satisfação ver esta escola que começou pequenina e ver como está hoje”, salientou.

Avelino Vaz fez os estudos superiores e o mestrado no Brasil e regressou a Bissau. Hoje faz parte da direcção da escola do professor Humberto.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,7 mai 2022 8:50

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  8 mai 2022 9:15

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.