UE aplica sanções a grupo Wagner por violar direitos humanos em África

PorExpresso das Ilhas, Lusa,26 fev 2023 8:14

A União Europeia impôs novas sanções ao grupo privado militar Wagner, que mantém fortes relações com Moscovo, por violações dos direitos humanos em África.

Oito indivíduos e sete entidades ligadas ao grupo paramilitar foram adicionados à lista de congelamentos de bens e proibição de viagens no espaço europeu.

O Grupo Wagner - que luta activamente com o exército russo na Ucrânia - já tinha sido sancionado pela União Europeia em 2021.

O Departamento de Estado norte-americano denunciou em Janeiro que o Grupo Wagner está a obter "lucros ilícitos" em África que poderão ser utilizados para financiar a guerra na Ucrânia.

Na mesma altura, a publicação norte-americana Politico informou que os Estados Unidos acreditam que o Grupo Wagner estava a expandir seus projectos de mineração na África para arrecadar milhões para reforçar suas operações militares na Ucrânia, ampliando significativamente o seu trabalho na República Centro-Africana (RCA).

Em contrapartida, o chefe da diplomacia russa, Sergey Lavrov, sustentou recentemente que o Grupo Wagner foi para África "a pedido dos governos africanos para ajudar a normalizar a situação na região face à ameaça terrorista".

O chefe da diplomacia russa citou a este respeito também a República Centro-Africana (RCA), país considerado o laboratório Wagner no continente africano, antes de intervir noutros países, como o Mali e o Burkina Faso.

Este grupo paramilitar fundado em 2014 consolidou-se como um dos principais protagonistas do conflito na Ucrânia e os seus mercenários também foram avistados na Síria e na Líbia.

Os EUA, que há vários anos tentam contrariar a influência russa em África, acusam o grupo Wagner de "cometer violações dos direitos humanos e extorquir os recursos naturais" dos países africanos onde está presente.

Na Ucrânia, estima-se que o Grupo Wagner, que assumiu protagonismo nos últimos meses na intensificação do conflito no leste do país, tenha um contingente de milhares de combatentes, entre mercenários contratados e ex-prisioneiros russos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,26 fev 2023 8:14

Editado porAndre Amaral  em  16 nov 2023 23:28

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.