UA suspende Níger e manifesta reservas sobre intervenção da CEDEAO

PorExpresso das Ilhas, Lusa,22 ago 2023 12:31

A União Africana (UA) anunciou hoje a suspensão do Níger das suas instituições, na sequência do golpe de Estado de 26 de Julho, e manifestou reservas quanto a uma eventual intervenção militar da África Ocidental.

O Conselho de Paz e Segurança (CPS) da UA "toma nota da decisão" da CEDEAO - Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental "de enviar uma força" para o Níger e pede à Comissão da organização pan-africana que "proceda a uma avaliação das implicações económicas, sociais e de segurança" de tal envio, anunciou este órgão da UA através de um comunicado.

O CPS decidiu igualmente "suspender imediatamente a participação da República do Níger em todas as actividades da UA e dos seus órgãos e instituições até à restauração efectiva da ordem constitucional no país", segundo o comunicado publicado hoje.

A posição, assumida num contexto de fortes divergências no seio da UA sobre este assunto, assenta em decisões tomadas numa reunião sobre "a situação no Níger", realizada a 14 de Agosto.

Na sequência do derrube pelos militares do Presidente nigerino, Mohamed Bazoum, eleito em 2021, a CEDEAO anunciou em 10 de Agosto a sua intenção de enviar uma força da África Ocidental "para restaurar a ordem constitucional no Níger".

A CEDEAO continua a reiterar a preferência por uma solução diplomática, mas mantém a ameaça de recorrer à força, uma opção em relação à qual a UA está dividida.

Na passada sexta-feira, no final de uma reunião de chefes de Estado-Maior da CEDEAO em Acra, capital do Gana, o comissário da organização regional para os Assuntos Políticos, a Paz e a Segurança, Abdel-Fatau Musah, indicou que "o dia da intervenção" tinha sido fixado, assim como "os objectivos estratégicos, o equipamento necessário e o compromisso dos Estados-membros".

"Se uma agressão for levada a cabo contra nós, não será o passeio no parque que alguns parecem acreditar", respondeu este sábado o novo homem forte do Níger, o general Abdourahamane Tiani.

A CEDEAO considerou esta segunda-feira "inaceitável" um período de transição máximo de "três anos" apontado, no sábado, pelo líder da junta militar do Níger.

"Queremos que a ordem constitucional seja restaurada o mais rápido possível", disse Abdel-Fatau Musah.

No sábado, uma delegação da CEDEAO liderada pelo ex-presidente nigeriano Abdulsalami Abubakar deslocou-se ao Níger para negociar uma saída para a crise, tendo sido recebida por Tiani, e mantido contactos com Mohamed Bazoum, detido desde o golpe.

Durante as conversações, Tiani defendeu o fim das sanções económicas e da proibição de viagens, impostas pela CEDEAO na sequência do golpe de Estado de 26 de Julho, e no final garantiu perante a televisão nacional que a transição para o poder político pode durar até três anos, ameaçando as forças estrangeiras contra a preparação de uma eventual intervenção militar regional.

O Níger é o quinto país da África Ocidental a ser liderado por uma junta militar, depois do Mali, da Guiné-Conacri e do Burkina Faso, que também tiveram golpes militares entre 2020 e 2022, além do Chade, onde o actual Presidente sucedeu ao seu pai, morto em combate.

Desde o derrube do regime do Presidente Bazoum, a comunidade internacional teme ainda mais instabilidade na região do Sahel, que enfrenta crescentes insurgências de grupos fundamentalistas islâmicos ligados aos grupos extremistas Estado Islâmico e Al-Qaida.

Muitos países, liderados pelos Estados Unidos, bem como a ONU e a União Europeia, apelaram a uma resolução pacífica da crise.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,22 ago 2023 12:31

Editado porSara Almeida  em  21 abr 2024 23:28

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.