Mali garante que saída da CEDEAO é irreversível e que sanções impostas são ilegais

PorExpresso das Ilhas, Lusa,7 fev 2024 14:19

O Mali afirmou hoje que a sua saída da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) é irreversível e insistiu que são ilegais as sanções impostas pelo bloco regional após o golpe de Estado.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores daquele país reiterou a decisão de abandonar a CEDEAO, juntamente com os governos do Níger e do Burkina Faso - também estes alvo de golpes de Estado -, numa decisão comunicada em conjunto, a 27 de Janeiro.

Estes países, que formaram uma aliança e se distanciam da Europa, ao messmo tempo que se aproximam da Rússia na sua política externa, afirmaram que a saída da CEDEAO, composta por 15 nações africanas, se deve ao facto de a organização ter traído os seus princípios fundadores e estar "sob a influência de potências estrangeiras".

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Mali afirmou hoje que as sanções decididas pela CEDEAO em Janeiro de 2022, depois de a junta militar maliana ter adiado a convocação de eleições democráticas, são contrárias ao tratado do bloco regional, nomeadamente o encerramento das fronteiras entre o Mali e os países membros.

Ao mesmo tempo, denunciou que, com esta medida, a CEDEAO "violou o direito de acesso e saída do mar e a liberdade de trânsito do Mali".

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

CEDEAO Mali

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,7 fev 2024 14:19

Editado porAndre Amaral  em  24 fev 2024 19:20

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.