Macron reafirma hipótese de enviar tropas ocidentais para combater russos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,2 mai 2024 14:26

O Presidente francês, Emmanuel Macron, voltou a admitir hoje a possibilidade de enviar tropas terrestres ocidentais para a Ucrânia no caso da Rússia "romper as linhas da frente" e Kiev solicitar esse apoio.

“Se os russos passassem a linha da frente, se houvesse um pedido ucraniano - o que não é o caso actualmente - deveríamos legitimamente colocar-nos a questão", disse o Presideivnte francês numa entrevista ao semanário britânico The Economist.

Para o Presidente francês, "excluí-lo 'a priori' seria não aprender as lições dos últimos dois anos", quando os países da NATO excluíram inicialmente o envio de tanques e aviões para a Ucrânia, antes de mudarem de ideias.

O chefe de Estado francês causou polémica no final de Fevereiro quando afirmou que o envio de tropas ocidentais para a Ucrânia não deveria "ser excluído" no futuro, explicando que a sua intenção era recuperar da "ambiguidade estratégica" na resposta da Europa à invasão russa da Ucrânia.

No entanto, a maioria dos países europeus, bem como os Estados Unidos, distanciaram-se dos seus comentários, apesar de actualmente alguns terem dado um passo na direção de Macron.

"Como já disse, não excluo nada, porque temos à nossa frente alguém que não exclui nada", reafirmou Emmanuel Macron, referindo-se ao Presidente russo, Vladimir Putin.

Os países ocidentais podem estar a ser "demasiado hesitantes na formulação dos limites" na sua resposta ao conflito na Ucrânia, perante Putin, que não tem limites e é o agressor, por essa razão, Macron tem "um objectivo estratégico claro: a Rússia não pode vencer na Ucrânia", acrescentou Macron, defendendo que caso isso aconteça deixará de existir segurança na Europa.

"Quem pode fingir que a Rússia vai ficar por aqui? Que segurança haverá para os outros países vizinhos, a Moldávia, a Roménia, a Polónia, a Lituânia e muitos outros? E que credibilidade teriam os europeus se tivessem gasto milhares de milhões, se tivessem dito que a sobrevivência do continente estava em jogo e não se tivessem dotado dos meios para travar a Rússia? Por isso, sim, não devemos excluir nada", insistiu.

Em matéria de defesa, os europeus devem sentar-se "à volta da mesa para construir um quadro coerente", defende Emmanuel Macron, acrescentando que "a NATO é uma dessas respostas e não se trata de pôr a NATO de lado, mas este quadro é muito mais vasto", acrescentou.

Em Março, Emmanuel Macron reafirmou que as operações terrestres ocidentais na Ucrânia poderão ser necessárias "a dada altura", em declarações após um encontro com o chanceler alemão, Olaf Scholz, e o primeiro-ministro polaco, Donald Tusk.

Esta afirmação do Presidente francês despoletou um aumento da tensão entre Paris e Moscovo, com provocações militares e ciberataques de instituições russas.

Na mesma altura, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da França, general Thierry Burkhard, defendeu que o apoio europeu à Ucrânia poderá ser mais do que fornecimento de armas, contrariando as expectativas russas de que os ocidentais "nunca entrarão" em solo ucraniano.

O ministro das Forças Armadas francês, Sébastien Lecornu, afirmou "não querer correr riscos no apoio à Ucrânia" e, por isso, defendeu uma aceleração na produção de armamento para equipar os militares franceses e a exportação para outros países, numa transição para uma "economia de guerra", defendida por Macron.

No final de Abril, o ministro defendeu ainda a criação de uma "força de reação rápida europeia" com cerca de 5 mil soldados até 2025, que poderá intervir em situações de crise quando a NATO não atuar.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,2 mai 2024 14:26

Editado porAndre Amaral  em  18 jun 2024 23:29

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.