Deslocados no Sudão ultrapassam os 10 milhões

PorExpresso das Ilhas, Lusa,10 jun 2024 14:11

O número de pessoas deslocadas internamente no Sudão, que está em guerra desde Abril de 2023, já ultrapassou os 10 milhões, anunciou hoje a agência das Nações Unidas para as migrações.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) adiantou à agência Associated Press que essa contabilização inclui cerca de 2,8 milhões de pessoas expulsas das suas casas antes do início da atual guerra, devido a vários conflitos locais nos últimos anos.

Mais de dois milhões de outros sudaneses foram deslocados para o estrangeiro, principalmente para os vizinhos Chade, Sudão do Sul e Egito, referiu ainda o porta-voz da OIM, Mohammedali Abunajela.

O conflito no Sudão começou em Abril de 2023, quando as crescentes tensões entre os líderes militares e os paramilitares da Força de Apoio Rápido resultaram em combates na capital Cartum, que se estenderam a outras partes do país.

Em causa estão fortes divergências sobre o processo de integração do grupo paramilitar - agora declarado organização terrorista - nas Forças Armadas, o que levou ao insucesso dessa transição iniciada em 2019, após o derrube do regime de Omar Hassan al-Bashir.

De acordo com a organização da ONU, a situação das mais de 10 milhões as pessoas deslocadas - mais de metade das quais mulheres e mais de um quarto crianças com menos de cinco anos - é já considerada a pior crise de deslocação interna do mundo.

"Imagine uma cidade do tamanho de Londres a ser deslocada. É isso que está a acontecer, mas com a constante ameaça de fogo cruzado, com fome, doenças e brutal violência étnica e de género", alertou a diretora-geral da OIM, Amy Pope, em comunicado.

A guerra no Sudão já causou mais de 30.000 mortos, segundo dados da União Médica Sudanesa.

Tanto o exército sudanês como os paramilitares foram acusados por várias organizações internacionais de terem cometido crimes de guerra e crimes contra a humanidade - incluindo o uso de violência sexual e limpeza étnica -, o que levou a sanções por parte de países como os Estados Unidos contra as partes beligerantes.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,10 jun 2024 14:11

Editado porAndre Amaral  em  23 jun 2024 23:29

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.