Uruguai, histórias com regras

PorFrancisco Carapinha,23 ago 2020 11:50

O Uruguai, país latino-americano, ficará para sempre associado à história do xadrez Cabo-verdiano por nos ter apadrinhado na nossa estreia absoluta, em competições, como equipa nacional.

Foi no dia 24 de Setembro de 2018 que, em Batumi (Geórgia), de frontamos a selecção do Uruguai, num encontro a contar para a 1.ª ronda da 43.ª Olimpíada que se realizou naquela cidade costeira do Mar Negro.

Do jogo em si, não há agora muito que contar, pois o natural aconteceu: a nossa derrota por 4-0. No entanto, nesse encontro, ou relacionado com ele, aconteceram várias histórias.

Algumas delas, por me parecerem interessantes ou curiosas, irei partilhando convosco aqui neste espaço.

Para começar, quando cheguei ao local onde se disputou esse histórico Uruguai – Cabo Verde, a mesa 68, tive logo o grato prazer de encontrar um "velho" conhecido, o GM Alejandro Hoffman que estava ali, naquele encontro, como capitão da equipa adversária.

Antes que se iniciassem as “hostilidades” entre crioulos e uruguaios, aproveitei para ter “dois dedos” de conversa com Hoffman, ficando bastante admirado com o facto dele estar a acompanhar os nossos primeiros passos e a evolução do xadrez em Cabo Verde.

Tinha uma informação, diria que praticamente completa, sobre as nossas actividades.

Quase um ano após este histórico encontro, quando fui arbitrar o Continental das Américas, aconteceu-me uma situação engraçada relacionada com a nossa estreia como seleccão de xadrez de Cabo Verde.

Estávamos no final da primeira ronda do Continental e, para encerrar esta ronda faltavam terminar três ou quatro partidas. Como havia árbitros de sala suficientes para que cada um acompanhasse exclusivamente uma dessas partidas, fomos distribuídos pelas mesas onde se encontravam os retardatários.

Fiquei na mesa onde se disputava o jogo entre um jogador brasileiro (de brancas) e um MI, que mais tarde vi a saber tratar-se de Luís Rodi, e com quem, antes e durante a ronda, já me tinha cruzado várias vezes, achando-o ser meu conhecido mas, sem conseguir perceber de onde.

Durante o tempo em que acompanhei por inteiro esta partida, ia puxando pela cabeça com o intuito de descobrir de onde conhecia o tal jogador, que na altura nem sequer o Uruguai x Cabo Verde, estreia da n/selecção. MI Luís Rodi, 3.º tabuleiro do Uruguai, identificado com a seta nome sabia. Deu-me a sensação que esta falha de memória era recíproca por parte dele pois, a forma como ele me olhava, era também de quem me conhecia mas não sabia de onde.

Enquanto ia tentando lembrar-me de onde conhecia o MI Luís Rodi ia inventando, para isso, várias hipóteses que se mostravam impossíveis.

Ocasionalmente, numa conversa tida com o meu colega, na arbitragem daquele Continental, o Lindomar Tonini, vim a saber quem era o jogador, conseguindo imediatamente perceber de onde nos conhecíamos. Conclui assim, que se tratava do uruguaio Luís Rodi, o 3.º tabuleiro uruguaio no jogo de estreia absoluta da selecção de xadrez de Cabo Verde. Nesse célebre encontro, lembrei-me que o adversário de Rodi tinha sido o Éder Pereira, o nosso campeão nacional na altura.

Identificado o local e a ocasião de onde nos conhecíamos, solicitei ao Tonini, que me tinha dito conhecer bem aquele MI, que nos apresentasse.

Assim foi, no dia seguinte, lá fomos apresentados e chegamos à conclusão que andávamos ambos á procura de saber de onde nos conhecíamos.

A partir daquele momento e enquanto durou o Continental, falamo-nos todos os dias.

Depois disso, como no tornamos amigos nas redes sociais, vamos contactando-nos, com Mestre Rodi, a colocar frequentemente “likes” ou a comentar publicações minhas.

Recentemente, numa crónica que aqui publiquei e posteriormente partilhei nas redes sociais, intitulada “Derrotados pela internet”, onde dava conta da nossa derrota na Nations League, em virtude do apagão causado pelo incêndio na Telecom e onde, curiosamente o nosso adversário era o Uruguai, Mestre Rodi escreveu um comentário, onde também contava uma história, que não resisti em partilhar convosco:

“Que pena. Uma situação ainda mais triste -incluso publicada na sua hora por Leontxo Garcia no jornal El País de Madrid- me tocou viver na primeira rodada da olimpíada de Bakú.

Uruguai x Haiti. Nossos adversários esqueceram-se de um dos cartões obrigatórios e somente um foi permitido a jogar, o meu adversário, que por acaso tinha o dito cartão. No entanto, aos 15 minutos de jogo (algo assim como uma dúzia de lances numa Nimzoindia, eu de pretas) o árbitro parou os relógios e decretou minha vitória, e a do resto dos meus companheiros de equipa. Dissemos ao árbitro que queríamos jogar – tínhamos feito milhares de quilómetros para isso. Porém, negaram nosso pedido explicando que as regras eram essas. Foi uma vitória sem sabor, como imagino deve ter sido á dos meus compatriotas nesse encontro que narras. Tenho certeza que eles teriam preferido jogar no tabuleiro a vencer por causa extra xadrezística. Um grande abraço Francisco, e aos xadrezistas cabo- verdianos neste dia do amigo e do xadrez”.

image

Realmente, depois de nos deslocarmos de tão longe, para jogar xadrez, e não poder fazê-lo, por causa de umas regras, mesmo quando há acordo entre as partes, é frustrante.

E porque aqui falei do Uruguai e do Continental das Américas de 2019, não posso terminar sem contar que durante este grande torneio que decorreu em S. Paulo (Brasil), tive o prazer de conhecer e trabalhar com Sabrina de San Vicente, árbitra internacional, também ela, natural do Uruguai e que actualmente está como Deputy Chief Arbiter da Olimpíada on-line.

Termino com a informação de que Cabo Verde, depois do excelente 20.º lugar na 5.ª edição da Championship League 2020, iniciou a sua participação na 6.ª edição desta competição, na passada sexta-feira com uma vitória sobre uma equipa inglesa. Na actual edição estão a participar 86 equipas.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 977 de 19 de Agosto de 2020.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Francisco Carapinha,23 ago 2020 11:50

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  23 ago 2020 12:07

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.