Betú ataca alfabeto cabo-verdiano oficial?!

PorAdalberto Silva (Betú),17 dez 2021 16:53

Na sequência di nha artigo “LÍNGUA CABO-VERDIANA: Oficialização e Alupec” qui vários jornal fazi queston di publica, “ensaísta” qui ta sina como Marsianu Nha Ida Padri Nikulau Ferera publica num oto jornal um pretenso “ensaiu” ta acusam di ataca alfabeto cabo-verdiano oficial e ta tenta demonstra alegados inverdadi, falsidadi e incoerência na nha artigo.

Respondendo també na criolo e na mesmo varianti di Marciano, má na forma di scrita qui n ta usa e qui n ta spera ma é ta entendi, n ta fla o siguinti:

  • Ca é claro qui Alupec é alfabeto oficial
  • Aprovado pa decreto-lei na 1998, a título experimental, e instituído na 2009, na nenhum lei ca sta obrigaçon di uso di Alupec, tanto qui até hoji ca tem um lei, um deliberaçon ou um documento di comunicaçon di Stado scrito na Alupec! Assim, pelo menos na prática, el ca é oficical inda!

    També, pessoalmenti, apesar di n ca ser jurista, n ta duvida si decreto-lei é forma más adequado pa oficializa qualquer matéria qui tem a ver cu língua oficial. É verdadi qui nôs Constituiçon ca ta estabeleci claramenti competência legislativa nês matéria, má si língua oficial é estabelecido pa Constituiçon, qualquer legislaçon ligado a processo di oficializaçon di língua devia ser di competência di Assembleia Nacional e cu maioria reforçado, na nha ponto di vista.

    É ca por acaso qui propi elementos di atual grupo di ativistas pa oficializaçon di criolo ta referi a Alupec como proposta e não como alfabeto oficial!

    • Mandatário di Kalu e Conselheiro di Ulisses

    Sim, Betú foi Mandatário Nacional di Kalu e é Conselheiro di Ulisses. Kalu e Ulisses fazi parti di Governo qui aprova Alupec na 1998, a título experimental, quer dizer ma ês ca obriga ninguém gosta ou usa Alupec. Stranho go é Marciano ca ta lembra ma é quel oto chefi di Governo qui institui Alupec na 2009 qui convida Mário Lúcio pa Ministro di Cultura na 2011, homi qui declara, em direto na TCV, ma el é contra Alupec (vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=BHFqevcGOE0)!

  • Scrita calapitchado e qualiquali!
  • Marciano, sobri scrita di criolo antes di Alupec, e particularmenti pa mornistas, ta qualifica di calapitchado e qualiquali, pamô, segundo el, era “prática di pessoas normalmenti semi-analfabeto”! N fica na dúvida si Eugénio Tavares era mornista ou semi-analfabeto! Pai, perdoai!
  • Stória di Scrita di Criolo
  • Propostas pa forma di screbi criolo começa désdi século XIX e ta apontado como referência importanti quel di António de Paula Brito. Facto é qui ês proposta di basi fonológico ca foi seguido pa cultores di scrita na criolo, nem mesmo pa sês contemporâneo moda Pedro Cardoso ou Eugénio Tavares! E duranti quasi um século, letristas di criolo screbi cu basi na regras di scrita di português, adaptado a sonoridadi di sês respetivo ilha. Para além di quês dja mencionado, otos grandis figuras di nôs literatura e música screbi e publica na criolo, cu basi etimológico e não fonológico: Luís Romano, Sérgio Fruzoni, Gabriel Mariano, B.Léza, Arménio Vieira, etc. Tudo cabo-verdiano, inclusivi quês semi-analfabeto, sigui mesmo linha até Independéncia Nacional na 1975.

    Dipôs di Independéncia, sobretudo na primero quinquénio, reina na Cabo Verdi um tempo revolucionário di africanizaçon di spírito e di rejeiçon a tudo qui era português. Infelizmenti inda tem cabo-verdianos qui ca consigui liberta di quel complexo di ex-colonizado e até ta considera português “língua di tuga”! É quês mesmos guentis qui ta atcha ma balalaica é más cabo-verdiano qui fato!

    E foi na quel ambienti sócio-político di averson a português la qui começa ta trabadjado um alfabeto pa criolo, diferenti di português, e bá repescado quel princípio fonológico di um som um letra qui sirbi di basi pa proposta qui sai na Colóquio di Mindelo di 1979.

    Marciano, qui é más bedjo qui mi, debi lembra, sima mi, qui quel proposta di Colóquio di Mindelo foi muito mal recebido e objeto di anedota na sociedadi cabo-verdiana na altura, particularmenti cu quel proposta di “kaĉupa” pa “catchupa”!

    Apesar di novo Constituiçon di República na 1992 ca ta fazeba nenhum referência a línguas, Governo di então entendi enceta diligências na sentido di valorizaçon di nôs língua criolo. Criado um Grupo pa Padronizaçon di Alfabeto qui continua ta pusta na quel mesmo princípio fonológico, presumivelmenti influenciado pa quês mesmos specialistas qui dja sa ta investiba na matéria désdi década anterior. Contudo, pa evita quel nível di rejeiçon qui conteceba antes, ês tenta concilia cu algum regra etimológico, nomeadamenti cu incorporaçon di dígrafos NH, LH, DJ e TX na proposta.

    Apesar di um expressivo manifestaçon di desacordo, sobretudo na region di Barlavento, ca tchiga di surgi nunca um proposta alternativo a Alupec tecnicamenti elaborado! Assim, na 1998, Alupec caba pa ser decretado, a título experimental, e na 2009 é foi instituído como alfabeto pa scrita di criolo, curiosamenti na altura em qui era Ministro di Cultura Manuel Veiga, um dos autores, senão autor-mor, di Alupec!

    Entretanto, na revison di Constituiçon di 1999, nôs língua materna ganha estatuto constitucional, cu obrigaçon di Stado a promovi condições pa sê oficializaçon. A partir di então, cu más ou menos promoçon, cu más ou menos estudos, cu más ou menos publicaçon literária, verdadi é qui, até hoji, ca foi possível alcança o mínimo di consenso na sociedadi cabo-verdiana à volta di Alupec!

  • Linguistas e legitimidadi di nha opinion
  • Diferentimenti di ciências físicas, na ciências humanas nem sempri é fácil deslinda undi qui ta termina ciência e ta começa opinion, às vez tendencioso e interessero!

    Si um linguista fla ma alfabeto português pa quês dôs língua é prejudicial pamô, na palavras scrito di mesmo manera, crianças tem tendéncia a lês també di mesmo manera, n ta fla ma o contrário també é possível, ou seja, palavras cu mesmo som e alfabeto diferenti podi screbedo di mesmo manera na quês dôs língua, errando na um dês. Aliás, dja sa ta verifica, nomeadamenti na facebook e na rodapé di TCV, scrita di português cu uso di k! Assí, ligaçon entri quês dôs língua ta fica deturpado, satisfazendo eventualmenti defensores di língua “criolciano”!

    Nha artigo em queston ca podia tem pretenson di compiti cu nenhum linguista ou pseudo-linguista. É apenas um exercício di cidadania, um opinion sobre um matéria qui ta toca qualquer cabo-verdiano, cu mesmo legitimidadi qui leigo na linguística Marciano tem.

    A propósito, n rapara ma alupequista Marciano ca ta ruspeta rigorosamenti Alupec na sê “criolciano” e djam tchiga té di lê um “ensaiu” di sêl ta contesta utilizaçon di copulativa “Y”. Nton, n ta pergunta: pamodi qui Marsiano Nha Ida Padri Nikulau Ferera podi tem reserva relativamenti a Alupec e mi nao? Pamodi go?!

    Finalmenti, pa fla ma quel argumento “distrinça di ambienti” é sintomático ma preocupaçon primero di “criolciano” é diferencia o máximo possível di “língua di tuga”, má nu ca debi exagera na plástica a ponto di elimina semelhanças qui ta existi entri um língua fidjo e um língua mãe!

    Stória é stória!

    Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1046 de 15 de Dezembro de 2021. 

    Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

    Autoria:Adalberto Silva (Betú),17 dez 2021 16:53

    Editado porAndre Amaral  em  17 dez 2021 16:53

    pub.

    pub.

    Últimas no site

      Últimas na secção

        Populares na secção

          Populares no site

            pub.