RTC apresenta proposta a funcionários

PorChissana Magalhães,13 jan 2018 6:15

​O Conselho de Administração da RTC quer que os trabalhadores da empresa passem a guiar-se por um código de ética e de conduta interno. A proposta apresentada aos funcionários não agrada a todos e está a suscitar reacções fortes.

Entre sugestões de envio do documento a organismos internacionais e recomendações de instauração de providência cautelar, há quem defenda que o documento é necessário precisando apenas de alguns ajustes..

A Proposta de Código de Ética e Conduta da RTC (PCECRTC) partilhado internamente pela administração da empresa pública de comunicação social com os seus funcionários – jornalistas e equiparados - chegou ao domínio público e rapidamente suscitou reacções.

O documento nasce sem um contexto explicitado pela RTC, que no seu preâmbulo apenas diz que o público e as partes interessadas “têm todo o direito de esperar que os nossos profissionais sejam competentes e confiáveis, e estejam trabalhando no melhor interesse da RTC”

Os administradores da empresa estatal dizem pretender assegurar que os colaboradores da RTC “actuem no melhor interesse público e da empresa, sem serem parciais relativamente a alguma organização em particular ou aos seus interesses pessoais”.

Num dos pontos denominado “Normas de Conduta” o documento elenca uma série de recomendações e restrições ao pessoal afecto à RTC, naquilo que entendem ser as melhores práticas para servir o interesse público: combater o suborno e a corrupção, postura perante presentes e gratificações, postura perante conflitos de interesse, actividades nas redes sociais, entre outros.

As primeiras reacções até vieram de quem não é jornalista ou outro tipo de funcionário da RTC, alertando para eventuais violações de liberdades consagradas na Constituição da República. Encorajados a manifestarem-se, logo alguns jornalistas da empresa começaram a dar a conhecer a sua posição.

“Iremos repudiar esse documento ultrajante que os seus autores dizem se inspirar nas melhores práticas da BBC, NY Times e outros órgãos de comunicação social credíveis deste mundo. (…) Com esse Código a nossa profissão entra num colete-de-forças sem precedentes numa realidade onde exercer o jornalismo já começa a ser um verdadeiro calvário”, escreveu Margarida Fontes, jornalista da TCV.

Júlio Rodrigues, também jornalista e também da TCV, vai mais longe na sua avaliação: “o documento ultrapassa o limite do bom-senso e da razoabilidade, realçando princípios que parecem extraídos de manuais nazis!”, sublinha na rede social usada para comentar o assunto.

Contudo, vozes também se fizeram ouvir em defesa da proposta, lembrando que em órgãos de comunicação internacional a instituição de códigos de ética e de postura tem se tornado comum.

“Repara que em jornais escritos e em redes televisivas da melhor qualidade: DN, Expresso, SIC e TVI, além da imprensa norte-americana, já existem ou estão em vias de ser implementados códigos de condutas dos jornalistas”, apontou online o jurista João Gomes.

Os comentários negativos ao documento, por parte de jornalistas da empresa e de outras figuras, não chegam a especificar quais e quais pontos consideram ir contra a Constituição da República, violando a liberdade de imprensa e de expressão. O documento parece ser rejeitado no seu todo e essa postura tornou-se mais clara com a entrada em cena do comunicado da RTC em resposta à discussão surgida no Facebook.

Fontes de Inspiração

O CA da empresa de comunicação social frisa que “a PROPOSTA (sic) de Código de Ética e Conduta foi elaborada com base em fontes absolutamente insuspeitas e está a ser socializada de forma absolutamente aberta e transparente”, diz no comunicado que rebate interpretações no sentido de “uma eventual intenção de perseguir, limitar ou ferir a liberdade dos trabalhadores da empresa”.

Porém, no entender de alguns jornalistas, não serve ir buscar as leis e os códigos internacionais como modelos “já que os contextos são outros e o código teria que espelhar primeiramente a Constituição de Cabo Verde”.

O Conselho de Administração da Rádio e Televisão públicas diz ter partilhado, desde 28 de Dezembro, com todos os seus funcionários – e também com a AJOC e o SITTHUR - a proposta que “encontra-se apenas na sua primeira fase, que é a socialização através de e-mails, com vista a se recolher contributos. Haverá uma segunda fase, que passará pela exposição presencial, acompanhada de esclarecimentos”, lê-se no comunicado em que se diz ainda que o objectivo final é fazer chegar a versão final da proposta à Assembleia Geral da RTC para deliberação.

Entretanto, para esta quinta-feira, está agendado um debate na TCV entre as partes interessadas.

O sindicato dos jornalistas avança, contudo, que não está disposto a aceitar este documento-proposta, nem mesmo como base para um futuro Código de Ética e de Conduta da empresa. Para passar pelo crivo dos jornalistas teria que se criar, de raiz, um novo documento (ver caixa).

Este é, de resto, o conselho dado por Gualberto de Rosário Almada aos abrangidos pela proposta do CA da RTC. O ex-primeiro ministro de Cabo Verde e ex-dirigente do MpD comentou o tema num texto publicado na sua página de Facebook e sentenciou: “Acima de tudo, a Constituição da República. Ninguém é obrigado a obedecer a tal norma. Solução: deitar a baixo e ignorar”.

Outra resposta por parte da RTC às reacções manifestadas veio de Humberto Santos, director da RCV. Num texto intitulado “Proposta de Código de Ética e de Conduta da RTC, um teste à democracia cabo-verdiana”, aquele jornalista assume parte da autoria do documento na origem da controvérsia, e defende:

“Digo que (…) é um teste à nossa democracia, porque, ao contrário do que se pretende fazer crer, a sua intenção é exatamente defender a liberdade de expressão e de informação e, com isso, uma melhor democracia. Ao que parece, e a meu ver, não estamos a passar neste teste”, escreve Santos que também acusa haver aproveitamento político da situação já que considera que “mesmo que, hipoteticamente, a PCECRTC trouxesse medidas que poderiam dificultar essa liberdade, o bom senso recomenda que as nossas posições sejam no sentido de propor retiradas ou reescrita dessas medidas, porque a socialização serve é para isso”.

Partidos comentam

Os partidos políticos também se envolveram na polémica, com o PAICV a defender que o código atenta contra o Estado de Direito Democrático e a democracia, e constitui uma machadada nos ganhos a nível de liberdade de imprensa que o país tem vindo a conseguir. O MpD respondeu e lamentou que uma proposta socializada para obtenção de contributos seja “transformada em machadada na liberdade de imprensa”, acusando o PAICV de ter uma estratégia para “denigrir a imagem do governo”, sem olhar às consequências na imagem do país.


Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 841 de 10 de Janeiro de 2017. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Chissana Magalhães,13 jan 2018 6:15

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  20 nov 2018 3:22

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.