​Cabo Verde analisa presença de mercúrio em amostras de peixe e cosméticos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,31 jul 2018 6:58

As autoridades cabo-verdianas estão a analisar a presença de mercúrio em amostras de peixe e cosméticos, cujos resultados deverão contribuir para a elaboração de leis sobre o uso deste metal, revelou à Lusa o Diretor Nacional do Ambiente.

O uso do mercúrio é legal em Cabo Verde, mas as autoridades estão empenhadas em promover o recurso a produtos alternativos, tendo em conta os efeitos do metal na saúde, disse Alexandre Rodrigues, à margem de um encontro de delegados de Saúde, Agricultura e Ambiente que decorreu ontem na Cidade Velha, na ilha de Santiago.

Um dos passos nesse sentido passa pela ratificação da Convenção de Minamata, um tratado para a redução do uso e de emissões de mercúrio que estabelece medidas de controlo e de diminuição do uso deste metal pesado que é prejudicial à saúde e ao meio ambiente.

Cabo Verde ainda não ratificou o documento, mas no seguimento da convenção foi elaborado um estudo sobre a Avaliação Inicial Minamata (MIA), o qual visou conhecer a situação sobre a libertação desse metal no país.

De acordo com a avaliação, cerca de 97% do mercúrio libertado em Cabo Verde resulta de actividades humanas.

Segundo o Director Nacional do Ambiente, a investigação identificou os hospitais e os centros de tratamento dentários como as instituições que mais utilizam mercúrio nos produtos que manuseiam, como é o caso dos termómetros.

Alexandre Rodrigues considera que Cabo Verde ainda não tem uma situação problemática por causa do mercúrio, mas optou por dar mais um passo no diagnóstico da situação ao solicitar análises a amostras de peixe e de cosméticos.

Neste momento, encontram-se no laboratório norte-americano Biodiversity Research Institute (BRI) 20 análises de peixe e 10 de cosméticos para averiguar a presença de mercúrio.

Segundo Alexandre Rodrigues, o próximo passo deverá passar pela proposta de ratificação da Convenção de Minamata e “medidas legais relativamente à utilização de mercúrio em Cabo Verde”.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o mercúrio e os seus diferentes componentes são “uma preocupação para a saúde pública mundial e têm vários efeitos graves na saúde”, como uma série de problemas neurológicos, em particular nos jovens.

O mercúrio pode também ter efeitos nefastos nos rins e no sistema digestivo, acrescenta a organização.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,31 jul 2018 6:58

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  1 ago 2018 7:27

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.