25 milhões de dólares para o cabo ELLA LINK

PorJorge Montezinho,7 jul 2019 3:00

1

Empréstimo do Banco Europeu de Investimento tem prazo de 15 anos, com juros baixos e começa a ser pago daqui a 3 anos. José Luís Livramento, presidente da CVTelecom afirma que a empresa está empenhada na transformação de Cabo Verde num hub digital. Ministro das Finanças, Olavo Correia, diz que é um momento histórico.

O Banco Europeu de Investimento, o maior banco público do mundo, concordou em financiar o novo cabo submarino que vai ligar Cabo Verde aos continentes americano e europeu, através de um empréstimo de 25 milhões de dólares. “É mais um capítulo de uma longa historia, espero que possa ajudar o país a usufruir da 4ª revolução industrial. Estamos muito contentes por acompanhar este desenvolvimento no país”, disse aos jornalistas Jane Feehan, a representante regional do Banco de Investimento Europeu para a África Ocidental.

O novo cabo submarino, que deve entrar em funcionamento no último trimestre de 2020, fica assim também ligado aos dois fóruns de desenvolvimento patrocinados por Cabo Verde. Em Paris, a CVT assinou a adesão ao projecto. No Sal, conseguiu o seu financiamento. “A CVT está engajada em ser parte da solução em relação à grande ambição de Cabo Verde de ser um hub tecnológico”, disse o PCA da empresa, José Luís Livramento. “Fala-se do mar, fala-se do ar, mas temos também o hub tecnológico e por isso temos trabalhado em sintonia com o governo”. 

Já em Janeiro deste ano, a EllaLink e Alcatel Submarine Networks (ASN) anunciaram o início da construção do sistema de cabos submarinos para satisfazer a procura de tráfego entre a Europa e a América Latina.

Este projecto é um cabo submarino de quatro pares de fibra de última geração que liga centros de dados em Madrid, Lisboa, Marselha, Fortaleza e São Paulo, e irá fornecer conectividade submarina ex­pres­sa e oferecer o primeiro par de fibras sempre directa entre os dois continentes. Quando estiver concluído terá cerca de 6000km de comprimento permitindo a ligação ao arquipélago da Madeira e também a Cabo Verde.

Esta nova ligação a Cabo Verde permitirá aumentar a capacidade do país na área das telecomunicações e do fornecimento de serviços de internet e é um passo decisivo para instalação de um serviço de 5G e de computação na nuvem.

“É uma nova forma de prestação de serviços, por exemplo, junto do continente, mas também venda de capacidade. Muitos países da costa precisam de capacidade até para securizar as suas comunicações internacionais. Portanto, vamos passar a vender capacidade internacional para esses países, sendo Cabo Verde um prestador de serviços”, explicou José Luís Livramento.

“A grande ambição de Cabo Verde é fazer das ilhas uma nação digital e a ligação à internet, hoje, é um bem essencial”, sublinhou o Ministro das Finanças, no final da cerimónia. “É muito importante que tenhamos esta ambição, para que possamos nos próximos cinco anos dar o salto qualitativo. Usar o digital para servir melhor a saúde, a educação, a segurança, para garantir todos os serviços públicos através do telemóvel, para que possamos ter uma banca digital, para que possamos colocar os serviços financeiros ao dispor de toda a população cabo-verdiana em qualquer parte de Cabo Verde e isso só será possível se tivermos boas infra-estruturas de telecomunicação”, referiu ainda Olavo Correia.

“A grande estrada que devemos construir é a estrada das comunicações, que liga o país ao mundo e que cria oportunidades para os jovens cabo-verdianos que hoje são mais capacitados e que não podem continuar a ter apenas como oferta de trabalho no sector hoteleiro”, referiu ainda o governante. “Não queremos que os jovens cabo-verdianos licenciados, engenheiros, informáticos, criativos, estejam a trabalhar nos hotéis, queremos que tenham oportunidade para inovar, produzir, para criar soluções que possam fazer de Cabo Verde um país inovador”.

O Banco Europeu de Investimento, no fundo, o banco da União Europeia, tem apoiado investimentos em Cabo Verde há mais de 40 anos, através de financiamentos que ultrapassam já os 150 milhões de euros.

“Apoiamos este projecto porque reconhecemos que as TIC trazem consigo uma necessidade forte de investimento em toda a África e queremos ajudar em algumas dessas necessidades”, disse ao Expresso das Ilhas Jane Feehan. “A Cabo Verde Telecom veio ter connosco, confiou em nós, e estamos deliciados por poder responder aos seus pedidos e ajudar a financiar este programa. Investimentos como este são chave para a economia do século XXI”, concluiu a representante do Banco Europeu de Investimento para a África Ocidental. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do expresso das ilhas nº 918 de 3 de Julho de 2019. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Jorge Montezinho,7 jul 2019 3:00

Editado porSara Almeida  em  8 jul 2019 14:22

1

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.