Trabalhadores da Meteorologia voltam à greve. Governo reitera requisição civil

PorExpresso das Ilhas,18 fev 2020 16:58

Depois da suspensão da greve de Janeiro, os trabalhadores do Instituto Nacional da Meteorologia e Geofísica (INMG) voltam à greve amanhã. Entretanto, tal como no mês passado, o governo avança com a requisição civil.

Desta feita são 55 os funcionários abrangidos pela requisição civil decretada pelo governo, conforme faz saber a Portaria conjunta hoje publicada no Boletim Oficial.

A decisão é sustentada com o facto de não se ter chegado, entre as partes, a “um entendimento no que diz respeito aos serviços mínimos indispensáveis para a satisfação de necessidades impreteríveis, no caso a segurança aeronáutica, no que tange à proteção e a segurança operacional, regularidade e eficiência da navegação aérea”.

Assim, para garantir que não haja interrupções no transporte aéreo - “que causariam grandes perdas económicas aos usuários e ao país” – o governo decretou a requisição civil.

Em termos legais, o diploma remete para dois decretos-lei (o 77/90 de 10 de Setembro e o 5/2007 de 16 de Outubro) que conferem ao Governo “o poder de determinar a Requisição Civil, de modo a acautelar os interesses essenciais e fundamentais do país, sempre que a definição dos serviços mínimos não seja efectivada nos moldes legalmente estabelecidos”.

Na manhã de hoje, em Espargos, o Sindicato dos Transportes, Comunicações e Administração Pública (SINTCAP) - que a par com o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública de São Vicente (SINTAP) representa os trabalhadores do INMG - , acautelou o governo para o cumprimento do estabelecido na lei, em matéria de requisição civil, no tocante aos serviços mínimos.

“O Governo não regulamenta o que foi estabelecido na lei para que possa continuar a decretar a requisição civil a seu belo prazer, o que constitui por um lado uma grande ilegalidade, e por outro, uma grave violação ao direito do trabalhador de estar na greve”, disse a presidente do SINTCAP, Maria de Brito citada pela Inforpress.

A sindicalista disse ainda esperar que o Governo, não cometa, também desta vez, “essa ilegalidade”.

A greve de 48h tem início marcado para as 7h30 do dia 19 e término às 7h30 do dia 21.

Greve suspensa de Janeiro

Esta é a segunda vez que os trabalhadores do INMG marcam greve este ano. A primeira, marcada para 28 e 29 de Janeiro foi suspensa na sequência da requisição civil de 51 funcionários para assegurar a prestação de serviços meteorológicos durante o protesto.

Uma requisição considerada abusiva, pelo secretário-permanente do Sindicado dos Trabalhadores da Função Pública (SINTAP), Luís Fortes.

No caderno reivindicativo, os trabalhadores pedem a reposição imediata do prémio de produtividade, que em 2018 foi reduzido em 45% e em 2019 não foi atribuído. A implementação, ainda em 2019, do plano de cargos, carreiras e salários (PCCS) é outra exigência.

O INMG tem um total de cerca de 120 funcionários, de várias classes profissionais. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,18 fev 2020 16:58

Editado porAndre Amaral  em  14 nov 2020 23:21

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.