Cabo Verde gastou menos 20% com evacuações médicas no primeiro trimestre

PorExpresso das Ilhas, Lusa,14 jun 2021 10:03

O custo com as evacuações médicas suportadas pelo INPS, sobretudo para Portugal, caiu 20% no primeiro trimestre, face a 2020, para 168 mil contos, segundo dados oficiais compilados hoje pela Lusa.

De acordo com um relatório sobre os pagamentos assegurados nos primeiros três meses de 2021 pelo INPS, o custo com o transporte e estadia destes doentes em evacuações médicas entre as ilhas e para Portugal registou em Março o valor mais alto do ano, cerca de 60,7 milhões de escudos.

Esse registo compara com o máximo histórico de 80,7 milhões de escudos no mês de Março de 2020.

Em Janeiro, o INPS gastou com estas evacuações médicas 52,1 milhões de escudos e em Março 55,9 milhões de escudos.

No total do primeiro trimestre deste ano, foram gastos pelo INPS mais de 168,7 milhões de escudos com evacuações médicas – dos quais quase 152 milhões de escudos com estadias em tratamento nos hospitais portugueses -, uma quebra de 20,7% face aos 212,9 milhões de escudos nos primeiros três meses de 2020.

A Lusa noticiou anteriormente que o custo com as evacuações médicas suportadas pela segurança social cabo-verdiana aumentou quase 6% em todo o ano de 2020, face ao anterior, para sete milhões de euros.

Segundo o relatório anual do INPS, os custos com as evacuações médicas suportadas em 2020 pela segurança social cabo-verdiana, que em alguns casos incluem acompanhantes, ascenderam a mais de 776,3 milhões de escudos, um aumento de 5,8% face aos 733,4 milhões de escudos em 2019.

Cerca de 65% do total dessas despesas em 2020 foram relativas às evacuações médicas para Portugal.

Dados anteriores do INPS referem que as evacuações médicas suportadas pelo INPS abrangeram 3.891 doentes em 2019, sobretudo entre as ilhas e com menos quase cem pacientes deslocados (319 no total) para tratamento em hospitais em Portugal.

As especialidades mais solicitadas nas evacuações para tratamento em Portugal em 2019 foram oncologia (104 casos), cardiologia (67), ortopedia (44), oftalmologia (32) e neurocirurgia (25).

“Apesar da dinâmica dos evacuados para o exterior, concluiu-se o ano 2019 com 549 evacuados activos em Portugal”, refere-se num relatório anterior do INPS.

Globalmente, as evacuações médicas, suportadas pelo INPS, movimentaram em 2019 um total de 5.562 pessoas, incluindo em alguns casos familiares dos doentes.

O ministro de Saúde de Cabo Verde, Arlindo do Rosário, reconheceu no final de Janeiro último que, apesar do “momento difícil” dos hospitais portugueses desde o início da pandemia de covid-19, Portugal “nunca fechou as portas” aos doentes cabo-verdianos do programa de evacuações médicas.

“Mesmo num momento difícil dos hospitais Portugal nunca fechou as portas e mesmo assim nós continuamos com o programa de evacuações”, reconheceu o governante, na inauguração do novo centro de hemodiálise do Hospital Baptista de Sousa, ilha de São Vicente, cuja construção foi cofinanciada por Portugal.

Arlindo do Rosário insistiu que é de “enaltecer o programa de cooperação entre Portugal e Cabo Verde, particularmente no sector da Saúde”, concretamente em áreas como as evacuações médicas ou pelo “apoio na assistência técnica e formativa” aos especialistas cabo-verdianos, permitindo que o país “ganhe progressivamente competências”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,14 jun 2021 10:03

Editado porAndre Amaral  em  25 jul 2021 17:19

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.