Governo promete continuar a trabalhar para manter Cabo Verde como referência

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,30 jan 2023 15:45

​O vice-primeiro-ministro reagiu hoje ao posicionamento de Cabo Verde no ranking da Freedom House 2022 e prometeu que o Governo vai continuar a trabalhar para manter o país como referência em matéria de transparência e boa governação.

O vice-primeiro-ministro reagiu hoje ao posicionamento de Cabo Verde no ranking da Freedom House 2022 e prometeu que o Governo vai continuar a trabalhar para manter o país como referência em matéria de transparência e boa governação.

Olavo Correia falava aos jornalistas após presidir ao seminário sobre cibersegurança promovido em parceria com a União Europeia que se congratulou com a posição de Cabo Verde, salientando, contudo, que há desafios, que não são vencidos de uma forma definitiva.

Cabo Verde foi o país africano considerado mais livre em África pela Organização, ficando também à frente de Portugal no ranking global, com a Guiné Equatorial na pior posição entre os países lusófonos.

“Cabo Verde é uma democracia estável com eleições concorrenciais e transferências periódicas de poder entre partidos rivais; as liberdades civis são genericamente protegidas, mas o acesso à justiça é dificultado por um sistema judicial demasiado burocrático, e o crime continua a ser uma preocupação”, escrevem os activistas na descrição do país, que recebeu uma pontuação de 92 pontos em 100 possíveis.

Ainda sobre Cabo Verde, a ONG aponta que “entre os outros principais problemas estão as persistentes iniquidades para as mulheres e os trabalhadores migrantes”, o que não impede o país de ser o mais livre entre os africanos.

Confrontando com esses dados, o também ministro das Finanças salientou que esses são desafios globais, que “infelizmente nunca são vencidos de forma definitiva”.

“Nós temos que estar vigilantes, estar atentos, olhar para as percepções e criar uma cultura que possa baixar essa percepção. Cabo Verde é referenciado como um país de liberdade, de democracia, país bem governado, um país com baixo nível corrupção”, apontou.

Neste sentido, garantiu que o executivo vai continuar a trabalhar não só reforçando o quadro legal e institucional, mas também promovendo a vigilância da parte dos cidadãos, das instituições para que Cabo Verde possa se manter como um estado refutável através da promoção da transparência da boa governação, mas também da promoção da democracia.

“Os desafios são constantes e temos de trabalhar para que Cabo Verde possa manter como um referencial de notoriedade em matéria de transparência e da boa governação e estamos num caminho”, garantiu.

O ranking da Freedom House analisa todos os países do mundo, e colocou novamente os países nórdicos europeus no topo da lista dos mais livres, como tem sido hábito nos últimos anos.

No ranking dos países lusófonos africanos, depois de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe, surgem Moçambique e Guiné-Bissau, ambos com 43 pontos, com Moçambique a manter a pontuação, e a Guiné-Bissau a cair um ponto face ao relatório do ano passado.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,30 jan 2023 15:45

Editado porAndre Amaral  em  21 out 2023 23:28

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.