​Cabo Verde, Portugal, Guiné-Bissau e Angola assinalam hoje libertação do Tarrafal

PorExpresso das Ilhas, Lusa,1 mai 2024 6:36

As comemorações dos 50 anos de libertação dos presos políticos do campo de concentração do Tarrafal, na ilha de Santiago, realizam-se hoje no local com a presença de três chefes de Estado e o ministro da Defesa de Angola.

O antigo campo, hoje Museu da Resistência, foi preparado para receber as cerimónias centrais que evocam a resistência de mais de 500 pessoas que estiveram presas no "campo da morte lenta", símbolo da opressão e violência da ditadura colonial portuguesa.

Um total de 36 pessoas não sobreviveu, a maioria, 32 mortos, eram portugueses que contestavam o regime fascista, presos na primeira fase do campo, entre 1936 e 1956.

O campo reabriu em 1962 com o nome de Campo de Trabalho de Chão Bom, destinado a encarcerar anticolonialistas de Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde, altura em que morreram dois angolanos e dois guineenses.

A libertação de quem se opunha ao Estado Novo aconteceu poucos dias depois de o regime fascista ter sido derrubado com a revolução do 25 de Abril de 1974 em Portugal.

O programa de hoje inclui o descerramento de uma placa comemorativa, uma sessão especial com os chefes de Estado e uma conferência sobre o campo do Tarrafal pelo historiador Victor Barros.

Luís Fonseca, antigo embaixador cabo-verdiano, secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) entre 2004 e 2008, usará da palavra como porta-voz dos presos políticos.

Depois de agredido pela PIDE, polícia política do regime, Luis Fonseca integrou o primeiro grupo de presos políticos cabo-verdianos a chegar ao Tarrafal (1970-1973).

"O Tarrafal é de facto um símbolo do fascismo português", da "negação de direitos", referiu, numa entrevista à Lusa, a propósito dos 50 anos da libertação.

"Há um dever de memória para com os combatentes que deram a vida pela liberdade", fazendo com que o sítio "não deva ser esquecido pelas gerações, porque representa a luta dos povos de quatro países".

À tarde, os Presidentes de Cabo Verde, de Portugal e da Guiné-Bissau e o ministro da Defesa de Angola realizam uma visita guiada ao campo e as comemorações do dia terminam com um concerto com Mário Lúcio (Cabo Verde), Teresa Salgueiro (Portugal), Paulo Flores (Angola) e Karyna Gomes (Guiné Bissau), com entrada livre.

O programa de hoje inclui a inauguração da exposição "Tarrafal, da repressão à liberdade", com curadoria de Alfredo Caldeira, com materiais audiovisuais e fotográficos e depoimentos sobre diferentes aspetos da vida prisional.

No âmbito desta evocação, será também publicado o livro "Tarrafal-Presos Políticos e Sociais" e criado um Centro de Documentação online sobre o Tarrafal (www.tarrafal-cdt.org), aberto à consulta pública a partir de hoje.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,1 mai 2024 6:36

Editado porFretson Rocha  em  22 jun 2024 23:28

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.