​Chefes de Estado apontam Tarrafal como exemplo daquilo que nunca mais se quer

PorExpresso das Ilhas, Lusa,1 mai 2024 13:32

Os chefes de Estado que hoje celebraram os 50 anos da libertação dos presos políticos no Tarrafal, apontaram o antigo campo (hoje, museu) como exemplo daquilo que nunca mais se quer.

Ao discursar na cerimónia, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa destacou: “o museu que se quer vivo para testemunhar o que não queremos que seja o presente, nem o futuro”.

Uma tarefa essencial, “sobretudo para os jovens de amanhã saberem aquilo que devem rejeitar, sempre: não há confusão possível entre opressão e liberdade, entre ditadura e democracia”, realçou.

O futuro nasce da união no passado, referiu José Maria Neves, Presidente cabo-verdiano, que evocou a revolução de 25 de Abril de 1974 para relembrar que “os povos de Portugal e das colónias estiveram na mesma trincheira” contra a ditadura portuguesa.

“Hoje são novos os desafios e horizontes, numa conjuntura mundial cada vez mais complicada”, apontando como exemplo as vagas migratórias de quem foge da violência e de “novas prisões”, acrescentou, apelando ao reforço da “democracia” com humanidade.

A democracia requer “cuidados permanentes” para que “nunca mais se fale de campos de concentração”, concluiu.

O chefe de Estado da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, prestou homenagem, no seu discurso, “inclinando-se” perante a memória dos presos políticos.

Da mesma forma, o ministro da Defesa de Angola, em representação do presidente João Lourenço, enalteceu todas as iniciativas que destaquem a resistência ao regime colonial.

Um grupo de 22 deles, aprisionados na segunda fase do campo, oprimindo anticolonialistas, estiveram presentes hoje.

Luís Fonseca, antigo embaixador cabo-verdiano, secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) entre 2004 e 2008, usou da palavra como porta-voz dos presos políticos.

O ex-recluso 343 recordou um encarceramento que pretendia fazer desaparecer os ideais de liberdade, mas que produziu solidariedade, pensamento e até poesia e novas canções.

Da mesma forma, pediu que haja solidariedade para com a Palestina, numa alusão ao conflito na faixa de Gaza, considerando que a ofensiva de Israel parece colocar apenas como opções “o extermínio ou o exílio”, de formas semelhantes às práticas da era colonial portuguesa.

Para que não haja mais “tarrafais”, importa que novas gerações visitem o antigo campo do Tarrafal, hoje Museu da Resistência, que cumpre preservar e desenvolver.

À tarde, os presidentes realizam uma visita guiada ao campo e as comemorações do dia terminam com um concerto com Mário Lúcio (Cabo Verde), Teresa Salgueiro (Portugal), Paulo Flores (Angola) e Karyna Gomes (Guiné Bissau), com entrada livre.

Mais de 500 pessoas que estiveram presas no "campo da morte lenta".

Um total de 36 pessoas não sobreviveu, a maioria, 32 mortos, eram portugueses que contestavam o regime fascista, presos na primeira fase do campo, entre 1936 e 1956.

O campo reabriu em 1962 com o nome de Campo de Trabalho de Chão Bom, destinado a encarcerar anticolonialistas de Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde – altura em que morreram dois angolanos e dois guineenses.

A libertação de quem se opunha ao Estado Novo aconteceu poucos dias depois de o regime fascista ter sido derrubado com a revolução do 25 de Abril de 1974 em Portugal.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,1 mai 2024 13:32

Editado porFretson Rocha  em  19 jul 2024 23:28

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.