31 de Julho instituído como dia nacional do Batuco

PorExpresso das Ilhas, Lusa,25 mar 2021 14:46

Dia nacional do Batuco vai passar a ser assinalado anualmente em 31 de Julho, conforme proposta de lei aprovada por unanimidade dos deputados durante a última sessão parlamentar da legislatura, na presença de dezenas de batucadeiras.

Ao descrever a proposta para instituir o dia nacional do Batuco no dia da Mulher Africana (31 de Julho), consensual entre os parlamentares, o deputado José Soares sublinhou a importância daquele género musical, corporizado por mulheres com os seus batuques, com origem na ilha de Santiago, mas que os emigrantes cabo-verdianos espalharam pelo mundo.

“O batuco, hoje, é tanto do interior da ilha de [Santiago], como da cidade da Praia, assim como de Lisboa, de Paris, de São Tomé, como também é de Oeiras, é de Roterdão, de Brockton [Estados Unidos da América], de Lyon”, afirmou o deputado, do MpD, recordando que a mais antiga referência a este género musical em Cabo Verde remonta a 1772.

Trata-se de um estilo musical tradicional de Santiago, essencialmente apresentado por mulheres, conhecidas como batucadeiras, que combina percussão, canto e dança, em que a mulher é a corista e canta sobre o dia-a-dia, mas também de política e cultura, por vezes com crítica.

Com a proibição do uso de tambores durante o período colonial, as mulheres passaram a ‘batucar’ em peças de tecido, que ainda se mantêm, juntamente com os tambores.

Na discussão na especialidade, o deputado José Soares explicou que hoje há dezenas de grupos de batuco em várias ilhas, mas sobretudo em Santiago, e realizam-se concursos e festivais regulares no país e na diáspora, e o ponto alto da divulgação internacional aconteceu em 2019, com a cantora norte-americana Madonna a gravar, cantar e dançar o tema “Batuca”, do álbum “Madame X” com um grupo de batucadeiras.

“O batuco está na nossa alma e no dia-a-dia das mulheres e homens de Cabo Verde. Antigamente, segundo os estudiosos do batuco, o batuco tinha um significado especial, era cantado e dançado nos dias santos, em certas cerimónias, nas festas de casamento e hoje em dia o surgimento de novos grupos de batuco, a partir de 2000 (…), sai do terreiro e passa para os grandes palcos”, sublinhou o deputado.

Do lado do PAICV o deputado Felisberto Vieira destacou que esta iniciativa dos deputados dos dois partidos “faz justiça histórica e cultural a um dos mais sólidos pilares da ancestralidade cabo-verdiana”.

“O batuco é a nossa alma”, declarou, garantindo que o PAICV é subscritor “com muita honra” desta iniciativa legislativa.

“Em verdade, batuco é música, batuco é dança, batuco é literatura oral, batuco é criolidade”, afirmou ainda o deputado.

Após a aprovação da iniciativa parlamentar, por todos os deputados, um grupo acabou por improvisar uma apresentação no hemiciclo, sob o aplauso dos deputados e o "obrigado", no final, por parte das mulheres batucadeiras.

“É um dia grande. Sabemos que o batuco é uma das expressões mais vibrantes da nossa música e da nossa cultura, pelo que são bem-vindas e bem-vindos à Assembleia Nacional”, declarou o presidente do parlamento, Jorge Santos.

A aprovação final fica agendada para sexta-feira, o último dia desta sessão parlamentar ordinária, que encerra também a legislatura, face à realização de eleições legislativas em Cabo Verde em 18 de abril.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,25 mar 2021 14:46

Editado porAndre Amaral  em  12 abr 2021 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.