Tóquio 2020 sem espectadores

PorLeonardo Cunha,9 abr 2021 8:52

1

A decisão desta semana de proibir os espectadores estrangeiros dos Jogos Olímpicos de Tóquio surgiu na sequência de uma sondagem conduzida pelo jornal japonês Yomiuri Shimbun, que afirmou que 77% dos cidadãos japoneses não estavam preocupados em permitir visitantes estrangeiros.

Acabará, pelo menos por enquanto, com uma tradição de visitantes estrangeiros que remonta aos primeiros Jogos Olímpicos da era Moderna, em 1896, onde Coubertin tinha sido testemunha em primeira mão.

Antes desses Jogos, um anúncio no boletim do Comité Internacional para os Jogos Olímpicos proclamava que a "Thomas Cook e a agência dos filhos iniciaram conversações com empresas de navios ferroviários e de cruzeiros com o objetivo de negociar descontos tanto para os concorrentes como para os curiosos que irão para a Grécia por ocasião dos Jogos Olímpicos".

Coubertin via-o como "um estádio vivo. Este estará vivo com a vida coletiva transmitida aos monumentos pelas multidões que os enchem." Coubertin estimou que no seu auge, a multidão era de mais de 60.000. Coubertin comparou multidões em eventos desportivos com o público do teatro. "Só o artista pode dizer o quão poderoso é a ligação que o liga ao seu público, o que estranho e agitado fluído passa entre eles, agitando até os nervos mais fortes do artista e capaz de transportar o espectador ou ouvir alturas de aprovação ou profundidades de desespero."

Coubertin sugeriu que "em princípio, o espectador desportivo ideal é um desportista de férias, fazendo uma pausa na sua própria rotina de exercício para seguir as façanhas de um amigo mais hábil ou mais bem treinado. Uma multidão demasiado grande, onde os não atletas estão presentes em maior número é prejudicial em termos técnicos da modalidade".

Os lugares estampados no novo estádio olímpico de Tóquio darão a ilusão de uma casa cheia, mesmo que não seja esse o caso. O inquérito Yomiuri Shimbun, que encontrou oposição a visitantes estrangeiros, também relatou que 48% se opunham aos espectadores.

O chefe do executivo de Tóquio 2020, Toshirō Mutō, admitiu esta semana que o número de multidões "depende de quantos estão infetados. Vamos acompanhar a situação da disseminação e tomaremos uma decisão em abril sobre a direção básica."

Parece que, em comum com outros eventos desportivos ao longo do último ano, a maioria dos espectadores serão telespectadores. A forma como os acontecimentos são apresentados para a televisão continua a ser outra questão. Para muitos desportos, a cobertura de arenas vazias tem sido acompanhada por ruídos de multidão "enlatados".

Esta opção do governo japonês parece trazer ao de cima a necessidade de uma reinvenção (pelo menos nos formatos digitais) da interação entre os adeptos e o Field of Play (área de jogo). Existe especulações que a inexistência de um publico no estádio pode representar um novo fluxo financeiro pelos direitos de transmissão. Contudo, na construção de um novo paradigma de relação com o adepto não devemos perder a (1) noção que da ligação do adepto com os jogos introduzida pelo fundador dos Jogos Olímpicos da era moderna e (2) a partilha de benefícios desta nova relação entre o COI e os países organizadores dos jogos e a sua população.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Leonardo Cunha,9 abr 2021 8:52

Editado porAndre Amaral  em  6 mai 2021 22:19

1

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.