Rússia, Ucrânia e trégua olímpica

PorLeonardo Cunha,4 fev 2022 10:36

A tradição da "Trégua Olímpica" foi estabelecida na Grécia Antiga no século IX a.C. através da assinatura de um tratado entre três reis – Iphitos de Elis, Cleosthenes de Pisa e Lycurgus de Esparta – para permitir a participação segura nos antigos Jogos Olímpicos para todos os atletas e espectadores destas cidades-estado gregas, que de outra forma estavam quase constantemente envolvidos em conflitos entre si.

Tendo em conta a nova realidade política em que o desporto e os Jogos Olímpicos existem, o COI decidiu reavivar o conceito de Tréguas Olímpicas para os Jogos Olímpicos, com vista a proteger, na medida do possível, os interesses dos atletas e do desporto em geral, e aproveitar o poder do desporto para promover a paz, diálogo e reconciliação mais amplamente.

Desde 1993, a Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) tem expressado repetidamente o seu apoio ao ideal de Tréguas Olímpicas e à missão do COI, adotando, de dois em dois anos – um ano antes de cada edição dos Jogos Olímpicos – uma resolução intitulada "Construir um mundo pacífico e melhor através do desporto e do ideal olímpico". Foi igualmente aprovada por consenso e copatrocinada por 173 Estados-Membros na 76.ª Sessão da Assembleia Geral (AG) das Nações Unidas (ONU) em Nova Iorque na qual se pede a observância da Trégua Olímpica para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Pequim 2022, sete dias antes do início dos Jogos Olímpicos, a 4 de fevereiro de 2022, até sete dias após o fim dos Jogos Paralímpicos.

Os atletas mundiais estão a chegar a Pequim, uma vez que o mundo partilha a atmosfera alegre da grande união dos Jogos Olímpicos de inverno de Pequim 2022, que acende a esperança para o mundo que tem lutado com a pandemia e precisa de solidariedade mais do que nunca. Na sexta-feira, quando a resolução da ONU para observar as Tréguas Olímpicas para os próximos Jogos Olímpicos de inverno entrou em vigor, os riscos de conflito regional na fronteira Rússia-Ucrânia permanecem.

A escalada das tensões entre o Ocidente liderado pelos EUA e a Rússia lembrou os observadores da guerra Rússia-Geórgia de 2008, quando o conflito da Ossétia do Sul nos calcanhares dos Jogos de Pequim 2008 comprometeu o princípio "sem guerra, apenas paz" do evento.

Para evitar que um cenário semelhante se repita durante Pequim 2022, os especialistas congratularam-se com a próxima discussão no Conselho de Segurança da ONU, enquanto os EUA e a Rússia mantêm a porta aberta à diplomacia, apesar de não terem sido feitos progressos até agora após várias rondas de conversações.

A Rússia disse que ficou claro que os EUA não estavam dispostos a resolver as suas principais preocupações de segurança no seu impasse sobre a Ucrânia, mas ambas as partes mantiveram a porta aberta a um diálogo mais aprofundado, segundo a Reuters. As observações foram feitas depois de os EUA e a NATO terem apresentado respostas escritas às exigências da Rússia no de redesenhar as medidas de segurança na Europa. Entretanto, os EUA solicitaram que o Conselho de Segurança das Nações Unidas se reunisse publicamente para discutir a situação atual, que pode constituir uma ameaça à paz e à segurança internacionais.

Com todos o escalar de conflitos descritos, é importante refletir sobre o significado da aprovação da resolução das nações unidas da trégua olímpica. Esta resolução contou com a totalidade dos países europeus, Rússia e Estados unidos da América na qualidade de signatários.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Leonardo Cunha,4 fev 2022 10:36

Editado porAndre Amaral  em  12 ago 2022 23:29

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.