​Cabo Verde e São Tomé e Príncipe assinam acordo para trocas comerciais

PorExpresso das Ilhas, Lusa,29 ago 2019 11:58

As Câmaras de Comércio de Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe assinaram hoje, na Praia, um acordo para trocas comerciais entre os dois país e como forma de rentabilizar o voo da companhia aérea angolana TAAG.

O acordo foi assinado entre o presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS) de Cabo Verde, Jorge Spencer Lima, e o presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços (CCIAS) de São Tomé e Príncipe, Jorge Correia, no âmbito da visita que o secretário de Estado do Comércio e Indústria de São Tomé e Príncipe, Eugénio da Graça, efectua a Cabo Verde.

Segundo Jorge Correia, o acordo vai permitir que os produtos cabo-verdianos cheguem "o mais depressa" a São Tomé, a bom preço e com qualidade, e que também os produtos são-tomenses sejam exportados para Cabo Verde.

O líder dos empresários são-tomenses disse que o acordo poderá começar a produzir efeitos práticos "nos próximos três meses".

Jorge Correia salientou que as trocas comercias entre os dois países poderá rentabilizar o voo da companhia aérea angolana TAAG, que foi retomado em Abril último, mas que tem uma "ocupação muito baixa".

Além disso, referiu que São Tomé Príncipe é um país que chove muito, tem muita água e excedentes de produção para um mercado muito pequeno de cerca de 200 mil pessoas, entre elas cerca de 30 mil imigrantes e descendentes cabo-verdianos.

Por isso, a ideia é fazer chegar os produtos do país aos mercados turísticos de Cabo Verde, nomeadamente o Sal, ilha que acolhe metade dos cerca de 700 mil turistas que o arquipélago recebe por ano.

O presidente da Câmara de Comércio de Cabo Verde disse que a vertente aérea "está solucionada" com o voo da TAAG que liga Luanda a Sal, com escala em São Tomé, e que tem "alguma disponibilidade de carga".

Numa próxima fase, Jorge Spencer Lima disse que os dois países vão discutir para ver como resolver as ligações marítimas, que passará necessariamente por Luanda e também enquadrar a Guiné-Bissau, para "incrementar as relações comercias entre os países".

Jorge Spencer Lima, que tem sido um dos maiores críticos da falta de trocas comercias entre os países de língua portuguesa, disse que está "mais optimista", porque os países estão agora a falar de "coisas concretas".

Além das delegação de São Tomé ter visitado algumas empresas cabo-verdianas com capacidade de exportação, o responsável empresarial cabo-verdiano informou que na sexta-feira será feita uma exposição/mostra de produtos são-tomenses na ilha do Sal.

Sublinhando o "papel crucial" do sector privado no domínio das trocas comerciais, o secretário de Estado do Comércio e Indústria, Eugénio da Graça, disse acreditar que a materialização do acordo "é possível a breve trecho", desde que os dois Governos e os empresários tenham vontade.

"Sabemos que a situação de uma forma geral é difícil, mas com vontade, e esta cooperação Sul-Sul podemos avançar muito rapidamente e estamos confiantes que isso será possível", previu o governante são-tomense.

O ato de assinatura foi testemunhado pelo vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, que referiu que os dois países "têm obrigação trabalhar em parceria, criar um espaço de confiança, de estabilidade e um ambiente de negócios de excelência".

O governante avançou que "nos próximos meses" serão assinados três acordos, um para evitar a dupla tributação entre Cabo Verde e São Tome e dois para protecção reciproca de investimentos, permitindo a livre circulação de capitais e dando condições aos privados para empreender.

"Esta é uma oportunidade que se cria, transporte de pessoas, de cargas, mais comércio, mais trocas", mostrou o ministro, que também espera que o voo da TAAG tenha rentabilidade e que as ligações marítimas regulares seja uma realidade, numa cooperação tripartida com Angola.

Depois de quatro dias na ilha de Santiago, onde visitou várias empresas e instituições e manteve encontros com responsáveis políticos, o secretário de Estado do Comércio e Indústria de São Tomé e Príncipe desloca-se ainda hoje à ilha do Sal, onde terá um encontro com o autarca local e visitará alguns hotéis e outras empresas.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,29 ago 2019 11:58

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  10 dez 2019 23:21

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.