Cabo Verde (cada vez) menos competitivo

PorAndre Amaral,27 out 2019 8:59

Depois de ter caído 6 posições em 2018 (passando da posição 105 em 2017 para 111 em 2018), em 2019, Cabo Verde cai uma posição no GCI e passa para a posição 112, num universo de 141 economias avaliadas.

Cabo Verde melhorou a sua pontuação no Ranking Global da Competitividade e conseguiu 50,8 pontos na classificação final (no ano passado tinha conseguido 50,2). 

No entanto isso não foi suficiente para impedir a descida do país na classificação. A ocupar o 112º lugar do ranking, Cabo Verde foi ultrapassado pelo Gana que subiu, num ano, cinco posições. 

Segundo o documento divulgado pelo Fórum Económico Mundial, estabilidade macroeconómica e saúde são os sectores onde o país tem o melhor desempenho sendo a dimensão do mercado e a capacidade de inovação os principais constrangimentos a um melhor desempenho do país.

A queda, explica Luís Teixeira, coordenador da Unidade para a Competitividade, deve-se às reformas que o governo tem vindo a fazer desde que entrou em funções. 

“Nós estamos a realizar uma série de reformas que vão levar o seu tempo a ter impacto. Algumas já estão implementadas, outras estão em curso e são todas de médio a longo prazo”, explica Luís Teixeira. 

Aquele responsável, ouvido pelo Expresso das Ilhas, acrescenta que “algumas dessas reformas estão a ser feitas dentro dos próprios ministérios” e que “a subida de escalão é uma maratona e nós estamos num país que não tem o hábito de fazer reformas”. 

Luís Teixeira garante que este processo de reformas que está em curso vai em breve produzir resultados e “trazer uma nova experiência e um novo modus operandi de fazer reformas. É com isso que estamos mais preocupados e não com correr atrás de pontuação”. 

A subida do Gana, que além de ter avançado cinco lugares passou a ocupar o lugar que antes pertencia a Cabo Verde, é explicada com o resultado das reformas implementadas. “O Gana já está a ganhar este hábito de fazer reformas. Nós não temos isso. Estamos a construir, estamos a criar um momento de fazer reformas e vamos estar, daqui a dois ou três anos em subida”, concluiu. 

Pequena dimensão do mercado 

Numa outra análise, José Luís Neves, Secretário-geral da Câmara de Comércio de Barlavento, destaca que o Fórum Económico Mundial “considera que o maior constrangimento para a competitividade da economia nacional é a pequena dimensão do mercado” e a solução pode passar pela “resolução dos constrangimentos relacionados com os transportes aéreos e marítimos para unificar o mercado”. Um caminho que tem sido apontado “como um dos maiores desafios a vencer. Recebemos uma boa avaliação a nível da qualidade das infraestruturas rodoviárias, mas o relatório penaliza-nos muito a nível da conectividade aeroportuária e das linhas marítimas, da eficiência dos serviços de transportes aéreos e dos serviços portuários, o que nos leva a depreender que a questão dos transportes aéreos e marítimos em Cabo Verde é muito mais do que ter barcos e aviões (sejam, 2, 5 ou 11 aviões). Temos, portanto, de analisar se o modelo de reestruturação dos transportes aéreos (internos e internacionais) e marítimos adoptados o que favorece a melhoria desses serviços e a competitividade do sector, a nível dos preços, dos custos para os operadores económicos, da unificação do mercado e de uma maior circulação de pessoas e bens entre as ilhas e entre o País e o mundo. Assim como sobre o modelo de economia de mercado, das políticas de privatizações e do papel das autoridades reguladoras independentes numa pequena economia aberta, fragmentada em ilhas e onde as falhas de mercado tendem a ser maiores”.

O relatório do Fórum Económico Mundial aponta também que as “Pequenas e Médias Empresas (PMEs) tem enormes dificuldades de acesso ao financiamento aliada à fraca solidez dos bancos e a uma enorme carteira de crédito malparado. O elevado nível de burocracia pública, as enormes dificuldades para arrancar um negócio, os constrangimentos a nível de resolução de insolvência, uma fraca cultura empresarial e de assumpção de riscos, da inovação empresarial, da ciência, da investigação e do desenvolvimento são outros constrangimentos, que juntamente com a baixa taxa de subscrição de internet de fibra e de banda larga, o fraco desempenho na governança corporativa, com enormes conflitos de interesse com a regulação, fraca prestação de contas e fraca participação dos accionistas na gestão empresarial penalizam fortemente o ambiente de negócios e o dinamismo empresarial”.

“Tenho defendido que o foco no desenvolvimento da iniciativa empresarial em Cabo Verde, sem descurar a promoção e a atracão de grandes investimentos empresariais (mormente o investimento directo estrangeiro) deve ser colocado na construção de Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) sólidas, sustentáveis e solidárias, na sua capacitação empresarial, assistência técnica, acesso ao financiamento, certificação de qualidade e na promoção da sua competitividade junto do Sector do Turismo. A evidência empírica demonstra que o crescimento económico e o grosso dos empregos nas economias são promovidos pelas MPMEs”, aponta José Luís Neves. 

Quanto ao mercado de trabalho, o Fórum Económico Mundial considera que ainda existem enormes desafios relacionados “com o nível médio de escolaridade da força de trabalho, com a qualificação dos trabalhadores, com a criação de competências cruciais para o nosso desenvolvimento, e a nível de um melhor relacionamento entre trabalhadores e empregadores e da elevação do nível de confiança nos gestores de topo”. “Temos um País, onde as autoridades competentes “festejam” a redução da taxa de desemprego, sem se questionar para onde foram aqueles que o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) contabiliza como deixando de estar desempregados – se passaram a estar empregados, se emigraram, ou se deixaram de procurar empregos e estão inactivos e desencorajados. Entretanto, o País precisa reflectir sobre a forte destruição líquida de empregos (menos 15.000 empregos em 2 anos), redução drástica da participação da população economicamente activa no mercado de trabalho (menos 25.000, nos últimos dois anos), ao elevado desemprego jovem (18,7% em 2018) e ao crescimento da inactividade (mais 37.000 nos últimos dois anos) e sobre o crescimento da precariedade no mercado de trabalho”, diz ainda José Luís Neves.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 934 de 23 de Outubro de 2019. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,27 out 2019 8:59

Editado porAndre Amaral  em  11 nov 2019 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.