Os tempos mais difíceis ainda estão para vir

PorJorge Montezinho,27 fev 2021 5:33

Se julga que a pandemia é o maior risco que enfrentamos, tem razão. Mas não é o único, há ameaças latentes que poderão ter tanto ou mais impacto do que a Covid-19. Se as coisas derem para o torto, não será por falta de aviso. Alertas que são deixados, por exemplo, pelo último relatório de riscos globais, do Fórum Económico Mundial, e que convém levar muito a sério. Eles costumam acertar.

Em 2006, o Relatório de Riscos Globais tinha soado o alarme sobre pandemias e outros riscos relacionados com a saúde. Nesse ano, o relatório avisou que uma “gripe letal, com a propagação facilitada pelos padrões de viagens globais e não contida por mecanismos de alerta insuficientes, representaria uma ameaça aguda”. Os impactos incluiriam “viagens, turismo e outros sectores de serviços, bem como cadeias de manufactura e comércio”, enquanto o “comércio global e a procura de consumo” poderiam sofrer danos a longo prazo. As edições subsequentes enfatizaram a necessidade de colaboração global face à resistência antimicrobiana (8ª edição, 2013), a crise do Ebola (11ª edição, 2016), ameaças biológicas (14ª edição, 2019) e sistemas de saúde sobrecarregados (15ª edição, 2020), entre outros tópicos.

Em 2020, o risco de uma pandemia global tornou-se realidade. À medida que os governos, as empresas e as sociedades avaliam os danos infligidos no último ano, o fortalecimento da previsão estratégica é agora mais importante do que nunca. Com o mundo mais sintonizado com o risco, existe uma oportunidade de chamar a atenção e encontrar maneiras mais eficazes de identificar e comunicar o risco aos decisores.

É neste contexto que é publicada a 16ª edição do Relatório de Riscos Globais do Fórum Económico Mundial.

A análise centra-se nos riscos e consequências do aumento das desigualdades e da fragmentação da sociedade. Em alguns casos, as disparidades nos resultados de saúde, tecnologia ou oportunidades da força de trabalho são o resultado directo da dinâmica criada pela pandemia. Noutros, as divisões sociais já existentes aumentaram, sobrecarregando as fracas redes de segurança e as estruturas económicas para além da capacidade.

Se as lacunas poderão ser reduzidas dependerá das acções tomadas na esteira da COVID-19 para reconstruir com uma visão de um futuro inclusivo e acessível. A inação sobre as desigualdades económicas e a divisão da sociedade poderá paralisar ainda mais as acções sobre as mudanças climáticas – ainda uma ameaça existencial para a humanidade.

A crescente fragmentação da sociedade – manifestada pelos riscos persistentes e emergentes para a saúde humana, o aumento do desemprego, o aumento da divisão digital e a desilusão da juventude – pode ter consequências graves numa era de riscos económicos, ambientais, geopolíticos e tecnológicos combinados.

A falha entre “ricos” e “pobres” aumentará ainda mais se o acesso à tecnologia e à capacidade permanecerem desiguais. Os jovens do mundo inteiro enfrentaram pressões excepcionais na última década e são particularmente vulneráveis a perder totalmente as oportunidades da próxima.

Para os negócios, as pressões económicas, tecnológicas e de reputação do momento actual aumentam o risco de um abalo desordenado, ameaçando criar uma grande multidão de trabalhadores e empresas que ficarão para trás nos mercados do futuro. Os governos também devem equilibrar a gestão da pandemia e a contração económica, ao mesmo tempo que criam novas oportunidades, fundamentais para a coesão social e a viabilidade das suas populações. Mais criticamente, se as questões ambientais – o principal risco a longo prazo – não forem confrontadas a curto prazo, a degradação ambiental cruzar-se-á com a fragmentação social para criar consequências dramáticas.

O custo humano e económico imediato da COVID-19 é severo. Ameaça reduzir anos de progresso na redução da pobreza e da desigualdade e enfraquecer ainda mais a coesão social e a cooperação global. Perdas de empregos, uma divisão digital cada vez maior, interações sociais interrompidas e mudanças abruptas nos mercados podem levar a “consequências terríveis e oportunidades perdidas para grande parte da população global”. As ramificações – agitação social, fragmentação política e tensões geopolíticas – irão moldar a eficácia das respostas às outras ameaças principais da próxima década: ciberataques, armas de destruição em massa e, principalmente, alterações climáticas.

O Relatório de Riscos Globais 2021 partilha os resultados da última Pesquisa de Percepção de Riscos Globais (GRPS). E o que se segue são as principais conclusões.

Percepções de riscos globais

Entre os riscos de maior probabilidade para os próximos dez anos estão condições meteorológicas extremas, falha de acção climática e danos ambientais causados pelo homem; bem como concentração de poder digital, desigualdade digital e falha de segurança cibernética. Entre os riscos de maior impacto da próxima década, as doenças infecciosas ocupam o primeiro lugar, seguidas por falhas nas acções climáticas e outros riscos ambientais; bem como armas de destruição em massa, crises de meios de subsistência, crises de dívidas e quebra de infraestrutura de Tecnologia da Informação.

Em relação ao horizonte temporal, ou seja, quando é que esses riscos se tornarão uma ameaça crítica para o mundo, as ameaças mais iminentes – as mais prováveis nos próximos dois anos – incluem crises de emprego e de subsistência, desilusão juvenil generalizada, desigualdade digital, estagnação económica, danos ambientais causados pelo homem, erosão da coesão social e ataques terroristas.

image

Os riscos económicos aparecem com destaque no período para os próximos 3 a 5 anos, incluindo bolhas de activos, instabilidade de preços, choques de commodities e crises de dívida; seguidos por riscos geopolíticos, incluindo relações e conflitos entre Estados e a “geopolitização” dos recursos. No horizonte de 5 a 10 anos, os riscos ambientais, como perda de biodiversidade, crises de recursos naturais e falha nas acções climáticas, predominam; ao lado das armas de destruição em massa, dos efeitos adversos da tecnologia e do colapso de Estados ou de instituições multilaterais.

Fragilidade económica e divisões sociais devem aumentar

As disparidades subjacentes na saúde, educação, estabilidade financeira e tecnologia levaram a crise a ter um impacto desproporcional em certos grupos e países. Não só a COVID-19 causou mais de dois milhões de mortes, até o momento, mas os impactos económicos e de longo prazo na saúde continuarão a ter consequências devastadoras. A onda de choque económica da pandemia – horas de trabalho equivalentes a 495 milhões de empregos foram perdidas apenas no segundo trimestre de 2020 – aumentará imediatamente a desigualdade, mas também pode causar uma recuperação díspar. Em 2020, estima-se que apenas 28 economias registaram crescimento. Quase 60% dos entrevistados no relatório identificaram as “doenças infecciosas” e as “crises de subsistência” como as principais ameaças de curto prazo para o mundo. A perda de vidas e dos meios de subsistência aumentará o risco de “erosão da coesão social”.

O crescente fosso digital e a adopção de tecnologia são preocupações

A COVID-19 acelerou a Quarta Revolução Industrial, desenvolvendo a digitalização da interacção humana, o comércio eletrónico, a educação online e o trabalho remoto. Estas mudanças transformarão a sociedade muito depois da pandemia e prometem enormes benefícios - a capacidade de teletrabalho e o rápido desenvolvimento de vacinas são dois exemplos - mas também podem agravar e criar desigualdades. Os entrevistados, no relatório, classificaram a “desigualdade digital” como uma ameaça crítica a curto prazo. Um hiato digital cada vez maior pode piorar as fracturas sociais e minar as perspectivas de uma recuperação inclusiva.

Uma geração de jovens está a emergir numa era de oportunidades perdidas

Embora o salto digital tenha desbloqueado oportunidades para alguns jovens, muitos estão agora a entrar na força de trabalho numa era de pouco, ou nenhum, emprego. Jovens adultos em todo o mundo enfrentam uma segunda grande crise global numa década. Uma geração já exposta à degradação ambiental, às consequências da crise financeira, à crescente desigualdade e à interrupção da transformação industrial, enfrenta actualmente sérios desafios na educação, perspectivas económicas e saúde mental.

De acordo com o relatório, o risco de “desilusão juvenil” está a ser muito negligenciado pela comunidade global, mas tornar-se-á uma ameaça crítica para o mundo a curto prazo. As vitórias sociais podem ser destruídas se a geração actual não tiver os caminhos adequados para as oportunidades futuras - e perder a fé nas instituições económicas e políticas actuais.

O clima continua a ser um risco crescente à medida que a cooperação global enfraquece

As alterações climáticas – às quais ninguém está imune – continuam a ser um risco catastrófico. Embora os confinamentos, em todo o mundo, tenham causado a descida das emissões globais na primeira metade de 2020, as evidências da crise financeira de 2008-2009 mostram que as emissões podem recuperar. Uma mudança para economias mais verdes não pode ser adiada até que os choques da pandemia diminuam. “Falha na acção climática” é, aliás, o risco de longo prazo com mais impacto e o segundo mais provável identificado no relatório.

As respostas à pandemia também causaram novas tensões domésticas e geopolíticas que ameaçam a estabilidade. A divisão digital e uma futura “geração perdida” provavelmente testarão a coesão social dentro das fronteiras – exacerbando a fragmentação geopolítica e a fragilidade económica global. Com o aumento dos impasses e dos pontos de inflamação, os entrevistados para o relatório classificaram o “colapso do Estado” e o “colapso do multilateralismo” como ameaças críticas de longo prazo.

Uma paisagem industrial polarizada pode emergir na economia pós-pandemia

À medida que as economias emergem do choque da COVID-19, as empresas enfrentam uma sacudidela. As tendências existentes ganharam um novo impulso com a crise: agendas com foco nacional para conter as perdas económicas, a transformação tecnológica e as mudanças na estrutura social - incluindo o comportamento do consumidor, a natureza do trabalho e o papel da tecnologia no trabalho e em casa.

Os riscos incluem estagnação nas economias avançadas e perda de potencial nos mercados emergentes e em desenvolvimento, o colapso de pequenas empresas, aumentando as lacunas entre grandes e pequenas empresas, a redução do dinamismo do mercado e o aumento da desigualdade; tornando mais difícil alcançar o desenvolvimento sustentável a longo prazo.

Os melhores caminhos para gerir riscos e aumentar a resiliência

Apesar de alguns exemplos notáveis de determinação, cooperação e inovação, a maioria dos países teve problemas na gestão das crises durante a pandemia global. Embora seja cedo para tirar lições definitivas, esta edição do Relatório de Riscos Globais sublinha que a resposta à COVID-19 oferece quatro oportunidades de governança para fortalecer a resiliência geral dos países, empresas e da comunidade internacional: (1) formular estruturas analíticas que tenham uma visão holística e baseada em sistemas dos impactos de risco; (2) investir em “campeões de risco” de alto perfil para encorajar a liderança nacional e a cooperação internacional; (3) melhorar as comunicações de risco e combater a desinformação; e (4) explorar novas formas de parceria público-privada na preparação para os riscos. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1004 de 24 de Fevereiro de 2021.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Jorge Montezinho,27 fev 2021 5:33

Editado porFretson Rocha  em  28 fev 2021 8:00

pub.
pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.