CCS diz que é preciso quebrar a burocracia nas instituições públicas para que haja desenvolvimento

PorSheilla Ribeiro,30 mar 2022 17:34

Para o presidente da Câmara de Comércio de Sotavento (CCS) é preciso quebrar um pouco a burocracia existente nas instituições públicas, introduzindo novas tecnologias de modo a facilitar tudo aquilo que são activos positivos para o desenvolvimento.

Marcos Rodrigues falava hoje aos jornalistas depois de uma reunião com a UNTC-CS, cujo objectivo era a análise conjunta de como as duas instituições podem contribuir para o reforço do clima de confiança dos agentes económicos e a melhoria da “performance” económica das empresas.

Conforme declarou, a CCS precisa que o mercado funcione e que seja aberto, que o sector público seja mais ágil e que se possa quebrar as barreiras da burocracia, que considera um dos grandes constrangimentos do desenvolvimento.

“Precisamos quebrar um pouco essa burocracia e as burocracias estão nas instituições públicas e nas empresas públicas, essencialmente. E nós precisamos desmaterializar um pouco essas ineficiências, introduzindo novas tecnologias, novas práticas e é isso também que o sector privado pretende perseguir. Mas, é preciso que do outro lado, de onde os actores principais que têm, enfim, a influência de dirigir o mercado que é o sector público, neste caso as instituições públicas, que possam facilitar tudo aquilo que são activos positivos para o desenvolvimento”, frisou.

O presidente da CCS referiu que a guerra entre a Rússia e Ucrânia, que causou o aumento dos preços, preocupa a instituição, uma vez que o “consumo irá arrefecer” e, consequentemente, “arrefecer” a economia.

Neste sentido, disse que o governo deve estar atento e analisar os problemas que existem do ponto de vista das empresas.

“Porque é lá que estão os trabalhadores e é lá que estão os patrões e qualquer deslise que possa existir no mercado em relação ao arrefecimento do consumo, estaremos numa situação complicada de empregabilidade, em que os patrões não podem continuara aguentar a força do trabalho não tendo, enfim, a geração de riqueza”, analisou.

Em relação ao encontro com a UNTC-CS, avançou que foram analisadas questões como a reforma do tecido empresarial cabo-verdiano, a questão da digitalização, da inteligência artificial, robotização e a preparação dos recursos para os novos tempos.

Por outro lado, prosseguiu, está-se a discutir assuntos que têm a ver com a questão do INPS no seu enquadramento e nas suas novas políticas para que sirva as empresas e os trabalhadores.

“Há uma convergência entre a Câmara de Comércio de Sotavento e os sindicatos no que concerne, efectivamente, na orientação dos activos principais das empresas, que são os trabalhadores. É com os trabalhadores que se gera a riqueza e as empresas e os empresários têm de começar também a perceber que investir nos seus activos principais, os trabalhadores, que tem ganhos substanciais”, proferiu.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,30 mar 2022 17:34

Editado porAndre Amaral  em  31 mar 2022 14:56

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.