FMI aprova acordo de linha de crédito de 60 milhões de dólares para Cabo Verde

PorExpresso das Ilhas, Lusa,16 jun 2022 11:03

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou na quarta-feira um acordo de linha de crédito estendida de 60 milhões de dólares para Cabo Verde, com 15 milhões disponíveis para desembolso imediato.

Em comunicado, o conselho executivo do FMI informou que se trata de um acordo de linha de crédito estendida de três anos, através de direitos especiais de saque (SDR, na sigla em Inglês).

O pacote de financiamento ajudará a mitigar o impacto persistente da pandemia de covid-19 e os efeitos colaterais da guerra na Ucrânia, assim como a reduzir o défice fiscal e a preservar a sustentabilidade da dívida.

Além disso, ajudará a proteger grupos vulneráveis e a apoiar uma agenda de reformas que leve a um crescimento mais elevado e mais inclusivo, segundo explicou a entidade financeira.

"As principais acções de política no âmbito do programa incluem medidas para aumentar as receitas e melhorar a eficiência dos gastos, fortalecer as empresas estatais para mitigar os riscos fiscais, bem como medidas para continuar a modernizar o quadro de política monetária e salvaguarda a estabilidade financeira", diz a nota divulgada pelo FMI.

A aprovação deste acordo permite o desembolso imediato de 15 milhões de dólares totalmente utilizáveis para financiamento orçamentário, visando apoiar a implementação das reformas.

Este acordo segue-se ao apoio de emergência do Fundo a Cabo Verde em abril de 2020, ao abrigo da Facilidade de Crédito Rápido que correspondeu a 32,3 milhões de dólares no momento da aprovação.

A economia de Cabo Verde enfrenta desafios significativos associados aos efeitos persistentes da pandemia de covid-19, ao aumento dos preços dos alimentos e combustíveis devido à guerra na Ucrânia e ao impacto da longa seca que está em curso.

"Cabo Verde mostrou um forte histórico de compromisso com reformas e estabilidade macroeconómica antes e durante a pandemia, o que contribuiu para uma forte recuperação da economia após a recessão induzida pelo covid-19. No entanto, os efeitos colaterais da guerra na Ucrânia, os efeitos persistentes da pandemia e o impacto da seca de cinco anos em curso enfraqueceram a recuperação económica e resultaram no aumento das necessidades de financiamento", disse o subdirector geral do FMI, Bo Li.

A estratégia-chave deste novo acordo, segundo Bo Li, concentra-se na consolidação fiscal gradual e favorável ao crescimento para colocar a dívida pública numa trajectória descendente decisiva.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,16 jun 2022 11:03

Editado porA Redacção  em  27 jun 2022 7:20

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.