Covid-19: PIB nacional com recessão histórica de 20,8% em 2020 – INE

PorExpresso das Ilhas, Lusa,24 jul 2023 14:13

​O Produto Interno Bruto (PIB) nacional diminuiu 20,8% em 2020, em comparação com o ano anterior, devido à pandemia da covid-19, as contas nacionais definitivas publicadas hoje pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

De acordo com os mesmos dados, a recessão histórica deveu-se ao cenário de queda da actividade económica a nível mundial, com impactos nas transacções da economia nacional, devido às medidas de confinamento tomadas para conter a propagação da doença.

Em 2020, a recessão foi de 20,8%, taxa inferior em 27,8 pontos percentuais à verificada no ano de 2019.

“Estes resultados reflectem os efeitos da pandemia da covid-19 no comportamento da actividade económica”, explicou o INE, concluindo que a pandemia teve impacto negativo em todas as actividades, com excepção da agricultura, saúde e actividades das famílias empregadoras de pessoal doméstico.

Do lado da procura, prosseguiu, o resultado é explicado em larga medida pela queda acentuada do consumo final das famílias (-13,8%) e das exportações, enquanto as despesas da administração pública aumentarem 2,4%.

“Do lado da oferta, o Valor Acrescentado Bruto (VAB) a preços de base apresentou uma evolução homóloga negativa de 21,3%, destacando-se para o efeito as actividades do comércio, dos transportes e do alojamento e restauração que foram mais afectadas pelos efeitos da crise sanitária”, lê-se no relatório.

Ainda segundo o INE, os impostos líquidos de subsídios apresentaram uma evolução homóloga de -17,2%, as exportações diminuíram 56,5% e as importações reduziram 25,2%.

Em 2020 e em termos globais, o sector primário teve um aumento de 12,5%, e os sectores secundário e terciário, registaram diminuições de 17,7% e 24,2% respectivamente em relação ao ano de 2019.

“A variação positiva no sector primário deveu-se, fundamentalmente, ao aumento do VAB no ramo da agricultura (+20,4%)”, explicou.

Já o desempenho negativo do sector secundário foi motivado, essencialmente, pelas actividades das indústrias alimentares, bebidas e tabaco (-21,6%) e da construção (-17,3%).

A diminuição no sector terciário de 24,2% em relação a 2019, explica-se pelo desempenho negativo nas actividades de comércio (-27,1%), transportes e armazenagem (- 36,9%), alojamento e restauração (-70,9%).

“Sendo estas as actividades onde se fez sentir mais intensamente o impacto da pandemia da covid-19, reflectindo os condicionamentos à mobilidade das pessoas no contexto da pandemia, nomeadamente às deslocações turísticas e ao transporte aéreo”, prosseguiu o INE.

Em 2022, o valor acrescentado bruto (VAB) diminuiu 21,3%, o que representa uma queda de 28,8 pontos percentuais face ao verificado no ano anterior.

Os impostos líquidos de subsídios sobre os produtos, em termos reais, também apresentaram uma variação negativa, de -17,2%, em 2020, contribuindo em -2,1 pontos percentuais para a variação total do PIB.

Cabo Verde recupera de uma profunda crise económica e financeira, decorrente da forte quebra na procura turística - sector que garante 25% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional - desde Março de 2020, devido à pandemia de covid-19.

Depois dessa recessão económica histórica em 2020, seguiu-se um crescimento de 7% em 2021 e 17,7% em 2022, impulsionado pela retoma da procura turística, prevendo que seja à volta de 4 e 5% este ano.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,24 jul 2023 14:13

Editado porAndre Amaral  em  24 fev 2024 23:28

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.