União Africana pede sentido de Estado a líderes políticos guineenses

PorExpresso das Ilhas,22 nov 2017 7:49

O Conselho de Paz e Segurança da União Africana pediu aos líderes políticos guineenses, incluindo o Presidente da República, para terem sentido de Estado e de responsabilidade para alcançarem uma solução para o actual impasse político na Guiné-Bissau.

O Conselho convida todos os líderes políticos da Guiné-Bissau, incluindo o Presidente da República, para terem sentido de Estado, responsabilidade e a respeitarem a Constituição do país para alcançarem uma solução para o actual impasse político", refere um comunicado divulgado ontem à imprensa pela representação da União Africana (UA) em Bissau.

O documento foi emitido na sequência da 734.ª reunião do Conselho de Paz e Segurança da União Africana realizada a 14 de Novembro e em que estiveram presentes o representante da organização em Bissau, embaixador Ovídeo Pequeno, e o ministro de Estado e dos Assuntos Parlamentares guineense, Soares Sambu.

No comunicado, o Conselho de Segurança da UA sublinha também como "imperativo" que seja encontrada uma solução "urgente e duradoura" para a crise existente no Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), partido vencedor das legislativas de 2014.

"O Conselho também destacou a importância de organizar eleições livres, justas e credíveis dentro dos prazos previstos na Constituição", pode ler-se no comunicado.

A União Africana instou todos os atores políticos guineenses a colocarem os "interesses do país e do povo acima de tudo e a começarem a criar condições" para a realização de eleições legislativas em 2018.

A organização mantém a sua "profunda preocupação" com a crise política da Guiné-Bissau, particularmente marcada pelo recrudescimento das tensões entre os principais atores políticos e as instituições estatais", apesar dos esforços de mediação da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), UA, ONU e União Europeia.

No comunicado, a Conselho de Segurança da União Africana volta a apelar à comunidade internacional para mobilizar recursos financeiros para manter a missão militar da CEDEAO no país e a felicitar os militares guineenses pelo profissionalismo e respeito pela Constituição que têm demonstrado ao absterem-se de envolvimento na actual situação política.

O actual Governo da Guiné-Bissau não tem o apoio do partido que ganhou as eleições legislativas em 2014, o PAIGC, e o impasse político tem levado vários países e instituições internacionais a apelarem a um consenso para a aplicação do Acordo de Conacri.

O Acordo de Conacri, patrocinado pela CEDEAO, prevê a formação de um governo consensual integrado por todos os partidos representados no parlamento e a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da confiança do chefe de Estado, entre outros pontos.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,22 nov 2017 7:49

Editado porPaulo Querido  em  26 set 2018 3:22

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.