Cabo Verde rejeita na ONU decisão de Trump sobre Jerusalém

PorExpresso das Ilhas,22 dez 2017 12:05

Cabo Verde foi um dos 128 países que ontem (21) votou a favor da resolução o estatuto de Jerusalém, recusando a declaração do presidente norte-americano de que a cidade é a capital de Israel. O reconhecimento é assim considerado nulo e sem efeito pela Assembleia Geral das Nações Unidas.

128 votos a favor, nove contra e 35 abstenções. Foi este o balanço total da resolução levada esta quinta-feira à Assembleia Geral da ONU, com vista à rejeição ao reconhecimento de Donald Trump de Jerusalém como capital de Israel.

Assim, e apesar ameaças do Presidente norte-americano, de que cortaria a ajuda a quem votasse contra os EUA, uma esmagadora maioria dos Estados-membros votou no sentido de considera nulo e sem efeito esse reconhecimento.

Os países que apoiaram a declaração de Trum p – e votaram contra a resolução da ONU – são: Guatemala, Honduras, Israel, Ilhas Marshall, Micronesia, Nauru, Palau, Togo e, claro, EUA.

Entretanto, de entre os 35 países que se abstiveram, nesta sessão especial de emergência, estão os africanos: Benin, Guiné Equatorial, Camarões, Lesoto, Ruanda, Uganda e Sudão do Sul.

Na resolução, as Nações Unidas salientam que o estatuto final da cidade sagrada é um assunto que deve “ser resolvido através de negociações que estejam de acordo com as resoluções relevantes da ONU”.

A resolução foi apresentada pela Turquia e pelo Iémen e essencialmente reafirmava as resoluções do Conselho de Segurança, aprovadas desde 1967, sobre Jerusalém, nas quais se defende que o estatuto da cidade deve ser decidido em negociações entre israelitas e palestinianos.

De referir porém que, ao contrário do que acontece no Conselho de Segurança, as resoluções da Assembleia Geral não são vinculativas.

A votação de ontem foi accionada depois de no passado dia 6 de Dezembro, Trump ter declarado que Jerusalém é a capital de Israel e passaria a sediar a embaixada dos EUA, actualmente localizada em Telavive. A decisão contou desde o início com forte objecção dos líderes de vários Estados um pouco por todo o mundo, que acreditam que irá comprometer o processo de paz Israelo-palestiniano. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,22 dez 2017 12:05

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  20 nov 2018 3:22

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.