Presidência guineense marca nova reunião para ultrapassar impasse político

PorExpresso das Ilhas, Lusa,14 mar 2018 15:47

José Mário Vaz
José Mário Vaz

​O líder dos deputados dissidentes do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde, Braima Camará, disse hoje que o Presidente guineense marcou uma nova reunião para terça-feira para tentar ultrapassar o impasse político no país.

"Lamentavelmente, não esteve presente um dos principais actores políticos. Por isso, temos a consciência clara que sem a presença de todas as partes é sempre difícil encontrar uma solução", afirmou Braima Camará, do denominado grupo dos 15 (dissidentes, mas sua excelência, o senhor Presidente da República, marcou uma nova data, na próxima terça-feira", afirmou. 

Para Braima Camará, a próxima terça-feira será uma "oportunidade de todos os atores políticos com elevado sentido de Estado e de patriotismo" reconsiderarem as suas posições para que se possa encontrar uma saída "mais consensual para que o país possa arrancar e sair definitivamente da crise, porque o povo está cansado". 

"Orgulho a mais e radicalismo não nos leva a lado nenhum, por isso é que nós, grupo dos 15, vamos acompanhar o Presidente da República em todas as circunstâncias, em todos os contextos, na busca de uma saída airosa desta crise", afirmou. 

A pedido da sociedade civil, a Presidência da Guiné-Bissau realizou hoje um encontro com o chefe de Estado guineense, José Mário Vaz, para tentar arranjar uma solução para o impasse governativo que o país atravessa. 

O Presidente empossou a 31 de Janeiro o sexto primeiro-ministro do país, Artur Silva, mas passados mais de 40 dias o novo Governo ainda não foi anunciado. 

No encontro, participaram elementos da comunidade internacional, sociedade civil, entidades religiosas, grupo das mulheres facilitadoras, o Partido de Renovação Social e o grupo dos 15 deputados expulsos do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). 

O encontro ficou marcado pela ausência do PAIGC, vencedor das legislativas de 2014, do Partido da Convergência Democrática (PCD), União para a Mudança (UM) e Partido da Nova Democracia, todos partidos com representação parlamentar e signatários do Acordo de Conacri. 

O Acordo de Conacri é um instrumento político, patrocinado pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, assinado em outubro de 2016 pelos cinco partidos com assento parlamentar, líder do parlamento e grupo de 15 para acabar com a crise política no país. 

Na sequência do não cumprimento do Acordo de Conacri pelas autoridades da Guiné-Bissau, a CEDEAO decidiu impor sanções a 19 individualidades guineenses, incluindo a Braima Camará.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,14 mar 2018 15:47

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  14 nov 2018 3:23

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.