​Investigador defende que Portugal deve aproximar Índia da CPLP

PorExpresso das Ilhas, Lusa,24 dez 2018 9:20

O investigador Constantino Xavier defendeu hoje que Portugal deve incentivar a aproximação da Índia à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e facilitar a sua adesão como país observador para aumentar a presença do país asiático no espaço lusófono.

“A Índia já estabeleceu projectos muitos interessantes com o Governo francês e é importante que faça o mesmo com Portugal. Neste âmbito, é muito importante que Portugal incentive a Índia a juntar-se como membro observador da CPLP. Faz pouco sentido a Índia ficar de fora, ainda tem falantes de português e tem longas ligações históricas com o mundo lusófono”, sublinhou o investigador da Brookings Índia, um instituto de pesquisa independente sediado em Nova Deli.

Para Constantino Xavier, Portugal “deve diversificar as suas parcerias” em vez de se retrair no espaço lusófono e deve apostar na revitalização da CPLP.

“Os países médios e pequenos têm interesse em desenvolver formas de cooperação diferenciadas”, comentou.

O especialista em política externa da União Indiana e segurança na Ásia do Sul assinalou que existe uma aproximação crescente da Índia a África, motivada por vários interesses.

Segundo o investigador, entre estes estão os recursos energéticos – a Índia quer diversificar as suas fontes de abastecimento e Angola e Nigéria estão entre os seus principais fornecedores de petróleo, a par dos países do Golfo – mas também o comércio, já que a Índia está também interessada em exportar os seus produtos para África, “um mercado em crescimento demográfico acelerado, com milhões de consumidores”.

Em causa estão também a segurança marítima e o combate à pirataria na orla costeira que vai da Somália até à África do Sul e por onde passa boa parte do comércio indiano, disse.

Constantino Xavier realçou que “em termos de relações históricas [a Índia] é um continente próximo de África”, sobretudo de países como Moçambique, que chegou a ser governado a partir de Goa nos séculos XVI e XVII.

A Índia é o principal destino das exportações moçambicanas (30,4%), acima da África do Sul (24,0%) e da China (7,1%) e reforçou os laços com Moçambique nos últimos meses. Além de visitas de governantes e missões empresariais ao país africano, a Guarda Costeira da Índia está a dar formação a militares da Marinha de Guerra e doou a Moçambique duas lanchas.

Além das vantagens da proximidade histórica e cultural, o modelo de governo democrático aproxima os dois países, apontou igualmente o académico, elogiando o “bom trabalho” das PME indianas nos países lusófonos.

A estes interesses, juntam-se ainda interesses geoestratégicos face à pujante China. “Há competição em termos de influência”, sublinhou o investigador da Brookings Índia, um instituto de pesquisa independente sediado em Nova Deli, lembrando que “a Índia investiu muito no seu relacionamento com África nos últimos dez anos” e anunciou recentemente a abertura de 18 embaixadas em África até 2021, chegando assim às 47 (a China tem 50).

Constantino Xavier destacou que a Índia apostou numa estratégia diferenciadora face à China que está a dar bons resultados: “A Índia é uma democracia com dificuldades burocráticas, muita diversidade étnica e um modelo de governação descentralizado, ao contrário da China. Nunca poderia fazer coisas com a mesma dimensão nem tão rapidamente”.

Por isso, em vez de competir “taco a taco” com o concorrente chinês, estratégia que não estava a resultar, decidiu aproveitar as suas vantagens competitivas, “trabalhando mais a nível da capacitação e formação de recursos humanos”, considerou.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,24 dez 2018 9:20

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 set 2019 23:22

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.