Bahamas confirmam 30 mortos e 70 mil desalojados devido a furacão Dorian

PorExpresso das Ilhas, ONU News,6 set 2019 16:49

Casos fatais podem aumentar de forma significativa, diz a ONU, enquanto as autoridades alertam sobre contaminação com esgoto e falta de água potável. Nações Unidas oferecem socorro para cobrir necessidades das vítimas com abrigos e recursos de água, saneamento e higiene.

As Bahamas confirmaram que o furacão Dorian causou pelo menos 30 mortos e 70 mil desalojados com a sua passagem por aquele arquipélago. O governo disse esperar que os casos fatais venham a aumentar de forma significativa.

No terreno, agências das Nações Unidas operam com o Ministério da Saúde e as equipas de emergência nas ilhas de Ábaco e Grand Bahama. O objectivo é responder às necessidades dos afectados com abrigos e recursos de água, saneamento e higiene.

O furacão enfraqueceu para tempestade de categoria 2 e segue lentamente para nordeste ao longo da costa leste dos EUA, onde as autoridades locais disseram que ainda representa uma ameaça.

Nas Bahamas, o Programa Mundial de Alimentação, PMA, entregou geradores, equipamentos de telecomunicações e de logística, incluindo unidades de armazenamento e escritórios pré-fabricados. A caminho do arquipélago estão 38 toneladas de alimentos para as vítimas da tempestade.

A Organização Internacional para Migrações (OIM) forneceu lonas para cobrir ou consertar temporariamente os edifícios danificados pelo furacão. Em caso de necessidade de abrigo, estes plásticos reforçados são uma “solução rápida e económica para os necessitados”.

As Nações Unidas estimam que 1.200 pessoas estejam a viver em abrigos nas ilhas de Ábaco e Bahamas e outras 800 estejam em clínicas a aguardar transferência. Milhares não podem chegar aos abrigos devido às inundações e estradas bloqueadas.

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), enviou três equipas médicas de emergência para as Bahamas. O foco do braço regional da Organização Mundial da Saúde é atender e salvar os sobreviventes, além de manter as pessoas seguras.

O representante da Opas e da OMS nas Bahamas, Esther de Gourville, disse que “claramente a situação é de desespero para algumas pessoas em Ábaco”.

As autoridades alertam para a contaminação com esgoto, uma situação que pode fazer faltar água potável. O problema já afecta o Rand Memorial Hospital, um dos maiores da ilha de Ábaco. Existe ainda o risco de diarreia e outras doenças transmitidas pela água.

Imagens aéreas da área mostram uma grande devastação nas infraestruturas da ilha. De acordo com a ONU, as comunicações estão a ser restauradas, mas ainda não há electricidade. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, ONU News,6 set 2019 16:49

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 set 2019 13:19

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.