Nuno Nabian formaliza apoio a Umaro Sissoco Embaló

PorExpresso das Ilhas, Lusa,4 dez 2019 11:56

O líder da Assembleia do Povo Unido - Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB) e terceiro mais votado na primeira volta das presidenciais do país, Nuno Nabian, assinou um acordo político de apoio ao candidato Umaro Sissoco Embaló.

O acordo político, a que a Lusa teve acesso, foi assinado na terça-feira em Dakar, capital no Senegal, por Nuno Nabian e Umaro Sissoco Embaló, que vai disputar a segunda volta das presidenciais, marcada para 29 de Dezembro, com Domingos Simões Pereira.

De recordar, entretanto, que há precisamente uma semana, Nabian aceitava negociar o seu apoio ao candidato Domingos Simões Pereira, embora salvaguardando que iria manter contactos com a candidatura de Umaro Sissoco Embaló.

Quanto ao presente acordo, pode ler-se no documento que  os subscritores @assumem o princípio de colaboração ativa no apoio à eleição na segunda volta do candidato Umaro Sissoco Embaló".

O acordo político refere também que Nuno Nabian vai trabalhar em conjunto com os partidos que o apoiam para assegurar que o seu eleitorado se mantenha coeso, evite dispersão de votos e se consolide em torno de Umaro Sissoco Embaló".

"Em caso de vitória, as partes comprometem-se a trabalhar juntos para promover a concórdia nacional, a unidade nacional e a criar um clima de paz e estabilidade indispensável ao bom desempenho do cargo de Presidente da República", refere-se também no acordo.

O documento tem também as assinaturas, como testemunhas, de Braima Camará, coordenador nacional do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), partido que apoia Umaro Sissoco Embaló, Alberto Nambeia, presidente do Partido de Renovação Social (PRS), que apoiou Nuno Nabian na primeira volta, e do próprio Nabian, enquanto presidente da APU-PDGB.

Na sequência das eleições legislativas, em 10 de Março, a APU-PDGB fez um acordo de incidência parlamentar com o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), vencedor do escrutínio, permitindo a formação do actual Governo, liderado por Aristides Gomes.

Em Novembro, o Presidente cessante, José Mário Vaz, demitiu o Governo de Aristides Gomes justificando a decisão com a existência de uma nova maioria no parlamento entre o Madem-G15, PRS e APU-PDGB, mas três dos cinco deputados da APU-PDGB no parlamento afirmaram à Lusa que continuam a apoiar o actual Governo.

A segunda volta das presidenciais vai ser disputada por Domingos Simões Pereira, que obteve 40,13% dos votos, e Umaro Sissoco Embaló, que conseguiu 27,65% da votação dos guineenses.

A campanha eleitoral para a segunda volta tem início no dia 13 e vai decorrer até dia 27 de Dezembro.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,4 dez 2019 11:56

Editado porSara Almeida  em  8 jul 2020 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.