CEDEAO recomenda aos Estados membros que apoiem reeleição de Adesina no BAD

PorExpresso das Ilhas, Lusa,4 jun 2020 7:33

A comissão executiva da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) apelou está quarta-feira aos Estados-membros para apoiarem a reeleição de Akinwumi Adesina no Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), cujas eleições estão previstas para Agosto.

"A Comissão da CEDEAO observou os recentes eventos que ocorreram no Banco Africano de Desenvolvimento, que decorreram das alegações de um grupo de funcionários contra o presidente do Grupo do BAD, Akinwumi Adesina", lê-se numa mensagem colocada no Facebook.

Estes desenvolvimentos, acrescenta a publicação, "incluem os inquéritos subsequentes conduzidos pelo Comité de Ética, que teria ilibado Adesina de qualquer acto repreensível, as reservas expressas posteriormente sobre os resultados das referidas investigações, e a declaração de governadores do Conselho de Governadores do Banco".

Em causa está a denúncia anónomia feita por um grupo de funcionários relativamente a contratações de familiares e amigos, nepotismo na gestão do banco e favorecimento de cidadãos da Nigéria, país de que é originário o presidente do banco.

"A Comissão da CEDEAO apoia o respeito pelas Regras e Procedimentos em vigor na realização de inquéritos em qualquer instituição; por conseguinte, a Comissão da CEDEAO toma nota das conclusões do Comité de Ética da BAD e reafirma o seu apoio à candidatura de Akinwumi Adesina para a Presidência do BAD, também apoiada pela União Africana, e apela a todos os Estados-Membros e os accionistas do Banco para que apoiem a candidatura de Adesina para um segundo mandato", conclui-se na nota colocada no Facebook.

A CEDEAO é composta de 15 países, entre os quais Cabo Verde.

O Presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, anunciou esta semana que apoiaria uma reeleição do actual dirigente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), o compatriota Akiwumi Adesina, apesar das acusações de prevaricação.

Adesina, antigo ministro da Agricultura da Nigéria, pretende um segundo mandato como chefe da instituição financeira.

Numa reunião em Abuja, Buhari garantiu a Adesina que o apoiaria "fortemente”, refere um comunicado publicado pelo gabinete do Presidente nigeriano e citado pela agência France-Presse (AFP).

“O Presidente [Buhari] prometeu que a Nigéria trabalhará com todos os funcionários e accionistas do BAD para permitir que Adesina seja eleito para um segundo mandato, com base no seu histórico”, acrescentou a presidência.

A Nigéria é o maior accionista do BAD e Adesina é o primeiro nigeriano a liderar a instituição desde a sua criação, em 1964.

Depois de examinar as alegações "ponto por ponto", o comité concluiu que "a queixa não é baseada em nenhum facto concreto e sólido", de acordo com a conclusão da investigação, que data de 26 de Abril, e foi consultada pela agência de informação financeira Bloomberg.

Akinwumi Adesina, de 60 anos, é o único candidato à liderança do banco para os próximos cinco anos - a decisão deverá ser tomada numa reunião de accionistas no final de Agosto -, e tem repetidamente negado as acusações de que é alvo por parte do grupo de funcionários do banco, com sede em Abidjan.

Também nas últimas semanas, o banqueiro tem recebido vários apoios, entre os quais está o do chefe de Estado da África do Sul e presidente em exercício da União Africana, Cyril Ramaphosa, e da antiga Presidente da Libéria Ellen Johnson-Sirleaf, que o elogiaram pelos esforços para garantir financiamento para o combate à pandemia da COVID-19, e também do ministro das Finanças da Guiné Equatorial, César Abogo, e do representante norte-americano no BAD, Harold E. Doley Jr.

O BAD é o maior banco multilateral e tem um 'rating' de triplo A das três maiores agências de rating - Moody's, Standard & Poor's e Fitch –, tendo como accionistas 54 nações africanas e vários países fora do continente, entre os quais está Portugal e, mais recentemente, a Irlanda do Norte, que anunciou há semanas a sua entrada como accionista.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,4 jun 2020 7:33

Editado porSara Almeida  em  2 jul 2020 8:19

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.