Sem Carnaval o Rio de Janeiro registará perdas económicas nunca vistas

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 fev 2021 15:52

O Rio de Janeiro está vazio e sem turistas, com os hotéis a funcionarem condicionados, nas vésperas do Carnaval. A pandemia levou ao cancelamento da festa mais icónica do Brasil e deixou sem sustento milhares de pessoas.

Este ano Rio de Janeiro não terá o seu Carnaval - que começaria nesta sexta-feira - e as consequências económicas deste cancelamento, para evitar a proliferação da covid-19 resultará em perdas estimadas em cerca de 410 milhões de euros, cerca de 45 milhões de contos.

A não realização da festa afecta desde os vendedores de bebidas, que trabalham informalmente a vender bebidas nas ruas a milhares de foliões, aos grupos hoteleiros, que viram a ocupação das unidades reduzida em mais de 50%.

Os profissionais que todos os anos trabalham no Carnaval também sentiram o flagelo. Artesãos, designers, carpinteiros, soldadores, costureiras e mecânicos foram todos despedidos.

A estes juntam-se inúmeros músicos e dançarinos, além de mercadores que importavam enfeites, fatos e outros artigos para o Carnaval. Toda a cadeia de produtos, comércio e serviços sofreu um duro golpe.

Os mais atingidos foram os pequenos negócios e os trabalhadores temporários, a maioria pessoas pobres cujo sustento depende do Carnaval.

Só no sector do turismo, mais de 25 mil pessoas que antes tinham um emprego durante o principal festival 'carioca' deixaram de ser contratadas temporariamente em hotéis, bares e restaurantes, conforme explicou Fábio Bentes, economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC), citado pela agência Efe.

"As vendas têm sido péssimas! Sem o Carnaval vendemos apenas 10%", disse Maria Vicente da Silva, 52 anos, que trabalha numa loja no Saara, um 'shopping' popular da região central da cidade.

"Isso é muito triste. Vemos muitas empresas fechando as portas porque não têm condições de ficar abertas", acrescentou.

As escolas de samba, alma, coração e vida do Carnaval, tiveram de reduzir drasticamente o seu quadro de funcionários para se manterem.

Com 22 títulos conquistados e 98 anos de fundação, a Portela, a maior campeã dos desfiles do Rio de Janeiro e uma das mais tradicionais escolas de samba da cidade não foge à regra.

Nesta escola, cerca de 400 pessoas foram prejudicadas com o cancelamento do Carnaval. A maioria deles são funcionários temporários que trabalham na 'Cidade do Samba', onde são feitas fantasias e montados carros alegóricos usados nos desfiles.

"Tem muita gente. É um exército que trabalha para cada escola de samba e essas pessoas precisam de um projecto carnavalesco para poder sustentar com dignidade suas famílias", afirmou o vice-presidente da Portela, Fábio Pavão.

A situação é semelhante na Beija Flor, outra das 12 escolas do Grupo Especial, onde estão as melhores.

"Baixamos os salários e tentamos manter todos os colaboradores até agora, porque os gastos são muito altos se não houver renda", disse Selminha Sorriso, a famosa porta-bandeira da Beija Flor.

O Rio de Janeiro responde por mais de 30% da receita de todo o Brasil para o turismo recreativo e o Carnaval é o evento que mais dá dividendos à cidade.

No ano passado, 2,1 milhões de turistas - dos quais cerca de 500 mil estrangeiros - visitaram o Rio de Janeiro durante o Carnaval e deixaram cerca de 63 milhões de contos em receitas geradas na cidade.

A realização do Carnaval chegou a ser condicionada à vacinação e a festa foi adiada para Julho, mas em Janeiro a Prefeitura decidiu cancelar o evento definitivamente devido a dificuldades logísticas para a sua organização.

A decisão trará um forte revés económico para o Rio de Janeiro, mas evitará que multidões propaguem o novo coronavírus numa cidade de sete milhões de habitantes, onde mais de 193 mil pessoas foram infectadas e cerca de 18 mil perderam a vida devido à pandemia.

O Brasil é o país lusófono mais afectado pela COVID-19 e um dos mais atingidos no mundo ao contabilizar 234.850 vítimas mortais e mais de 9,6 milhões de casos confirmados de covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.355.410 mortos no mundo, resultantes de mais de 107,3 milhões de casos de infecção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 fev 2021 15:52

Editado porAndre Amaral  em  12 mai 2021 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.