Número de manifestantes detidos na Rússia aumenta

PorExpresso das Ilhas, Lusa,7 mar 2022 9:43

Mais de 4.600 pessoas que se manifestaram este domingo, na Rússia, contra a intervenção militar na Ucrânia foram detidas, em cerca de 60 cidades, elevando o total para 13.000, desde o início da ofensiva, segundo a ONG OVD-Info.

Pelo menos 4.640 pessoas foram detidas hoje em 65 cidades, elevando para mais de 13.000 o total de manifestantes detidos desde o início da operação militar russa na Ucrânia, a 24 de Fevereiro, de acordo com o OVD-Info, que acompanha os protestos não autorizados.

Apesar da intimidação pelas autoridades e da ameaça de pesadas penas de prisão, nos últimos 11 dias têm-se verificado diariamente protestos em várias cidades de toda a Rússia.

O opositor Alexei Navalny, que é contra a intervenção na Ucrânia, pediu esta semana aos russos que se reunissem diariamente na praça principal das respectivas cidades para exigirem a paz na Ucrânia.

Só este domingo foram detidas cerca de 1.700 pessoas em Moscovo, segundo a polícia. Entre elas, informou a OVD-Info, figuram um dirigente da ONG Memorial, Oleg Orlov, e a activista Svetlana Gannushkina.

Vários activistas e ONG publicaram ontem vídeos nas redes sociais mostrando detenções brutais com uso de bastões.

As primeiras detenções tiveram lugar no Extremo Oriente e na Sibéria, devido à diferença horária: mais de 200 pessoas nas cidades de Novosibirsk e Ekaterinburg, de acordo com a OVD-Info.

As autoridades russas adoptaram na sexta-feira uma nova lei para punir "informações falsas" sobre as actividades do exército russo na Ucrânia. Com penas que vão de multas a 15 anos de prisão.

Com a adopção dessa lei, vários meios de comunicação social russos e estrangeiros anunciaram a suspensão das suas actividades na Rússia.

Aqueles que se manifestam contra a presença militar russa na Ucrânia são também sistematicamente multados, de acordo com um novo artigo do código administrativo, que proíbe acções públicas "desacreditando as forças armadas".

Segundo a agência noticiosa Ria Novosti, um residente na Sibéria foi a primeira vítima da nova lei, multado em 60.000 rublos (450 euros) por apelar para uma manifestação contra a intervenção na Ucrânia.

Nos últimos anos, dezenas de manifestantes foram condenados na Rússia a duras penas de prisão por "violência contra a polícia".

A Rússia lançou na madrugada de 24 de Fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo as autoridades de Kiev, já fez mais de 2.000 mortos entre a população civil e que provocou a fuga de mais de 1,5 milhões de pessoas para os países vizinhos, de acordo com a ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,7 mar 2022 9:43

Editado porAndre Amaral  em  1 out 2022 23:28

pub.
pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.