120 anos da Igreja do Nazareno

PorBrito-Semedo,12 nov 2021 12:18

Homenagem ao Rev. João José Dias (Brava, 1873 – 1964), Pioneiro da Igreja do Nazareno

Arrancaram na Praia, com a presença do Superintendente Geral da Igreja do Nazareno, Rev. Dr. Eugénio Duarte, com jurisdição em África, as celebrações dos 120 anos da Igreja do Nazareno em Cabo Verde. O ponto alto dessas comemorações acontece na Brava, nos dias 13 e 14, continuando em São Vicente nos dias 16, 17 e 18 de Novembro.

Para uma melhor compreensão dessa efeméride, um pouco da história dessa igreja centenária – ‘das raízes aos frutos do presente’.

De uma maneira geral, a minha geração conviveu com os seus avós, principalmente as avós, que passaram aos seus netos memórias e recordações que iam, por sua vez, até aos seus avós. Poderei, assim, considerar-me o quinto anel da cadeia de cinco gerações e procurar responder às minhas indagações existências: (i) De onde vim? (ii) Como cheguei até aqui? (iii) Que herança devo transmitir à geração que se segue?

É seguindo essa lógica, embora simplista – e se se considerar que uma geração pode ter um tempo de 25 anos – estabeleço, grosso modo, como a tradição evangélica em Cabo Verde estar na quinta geração.

Francisco Xavier Ferreira, primeiro nacional Superintendente do Distrito, afirma in Primórdios do Evangelho em Cabo Verde, 1972: “Data dos fins do ano 1800 o começo da obra evangélica na ilha Brava, porem, só em 1901 a primeira igreja, de feição pentecostal”.

Irei fazer a apresentação esquemática dessas gerações tendo em conta (i) o Contexto Político e Social, (ii) a Liderança, (iii) os Pastores e sua formação académica e teológica. Assim:

1.ª Geração de Evangélicos

– Feição Pentecostal (Finais 1800-1901)

Contexto Político e Social: Monarquia Constitucional (… -1910)

Nos finais do século XVII, baleeiros americanos e de outras nacionalidades começaram a pesca de cetáceos nos mares dos Açores e das Ilhas de Cabo Verde. As relações com os insulares, entre os quais procuravam auxiliares para as tarefas da pesca, terão aberto aos cabo-verdianos as perspectivas de emigrar para os Estados Unidos.

image

A fama de corajosos marinheiros e bons trancadores de baleia ter-se-á espalhado e os barcos cresceram em número na procura dos naturais da ilha Brava. De 1880 a 1889, uma vaga de naturais dessa ilha seguiu nos navios de baleia e, a partir da última data, a emigração para os Estados Unidos atingiu as restantes ilhas, com grande entusiasmo e êxito.

Leigos: (Fraca escolaridade)

2.ª Geração de Evangélicos

– Pentecostais/Nazarenos (1901-1936)

Contexto Político e Social: I República (1910-1926), Ditadura Militar (1926-1933) e Estado Novo (1933-…)

Regressado a Cabo Verde em 1901, João José Dias (“Nhô Djôm Dias”) iniciou um trabalho pioneiro na sua ilha natal, como missionário e Pastor da Pentecostal Nazarene Church. Em Outubro de 1907, a fusão, nos EUA, de duas associações de igrejas de que esta fazia parte, dá origem à Igreja do Nazareno. Esta, em 1907, perfilha a obra cabo-verdiana, continuando o Rev. João José Dias à testa da Obra.

Liderança: Pioneiro – Rev. João José Dias

Pastores: Irmãos Leigos (Fraca escolaridade)

3.ª Geração de Evangélicos

– Nazarenos (1936-1953)

Contexto Político e Social: Estado Novo (1933-…)

Liderança: Missionários EUA e Reino Unido – Rev. Everett e Garnet Howard (1936 – 1951), Rev. Samuel Clifford e Charlotte Gay (1939 – 1955), Rev. Earl e Gladys Mosteller (1946 – 1958), Rev. Ernest e Jessie Eades (1948 – 1960), Enfermeira Lydia Wilke (1949 – 1963), Rev. James Elton e Margaret Wood (1953 – 1974).

Pastores (Pioneiros): Fraca formação académica + Preparação em Escola Bíblica e autodidatas – António Gomes de Jesus (1936), Ilídio Santa Rita Silva (1937), Francisco Xavier Ferreira (1942), Luciano Gomes de Barros (1943), José Maria Correia (1944), José Neves Caldeira Marques (1945), e Álvaro Barbosa Andrade (1948).

4.ª Geração de Evangélicos

– Nazarenos (1953-1975)

Contexto Político e Social: Estado Novo (1933-1974)

Liderança: Missionários dos EUA – Rev. Roy Malcolm e Glória Henck (1958 – 1994); Rev. Paul e Nettie Stroud (1969 –); Rev. Duane e Linda Srader (1973 – 1980).

Pastores: Formação no Seminário Nazareno de Cabo Verde (SNCV) + Ensino Liceal

Professores SNCV: Missionários coadjuvados por 1 ou 2 nacionais.

5.ª Geração de Evangélicos

– Nazarenos (1975-2021)

Contexto Político e Social: País independente (Democracia Revolucionária e Democracia Multipartidária)

Contexto Social: Efervescência política (1974-1975), Regime de Partido Único (1975-1990), Estado de Direito Democrático (1991-…)

Liderança: Superintendente Distrital (Nacional) + Director Campo (Missionário EUA) – último missionário, Rev. Philippe e Paula Troutman (1989 – 1991).

Superintendentes Distritais cabo-verdianos: Rev. Francisco Xavier Ferreira (1975-1979), Rev. Gilberto Sabino Évora (1979-1987), Rev. Eugénio Rosa Duarte (1987 – 1997), Rev. Emanuel David Araújo (1997-) e Rev. Leniza Monteiro Soares, Distrito Norte (2019-).

Em 1992 o Distrito de Cabo Verde ascende a Distrito Regular e em 2019 desdobra-se em Norte e Sul.

Pastores: Formação no Seminário Nazareno de Cabo Verde + Ensino Liceal

Professores SNCV: Missionários + Nacionais (sendo Dra. Odette Pinheiro a primeira Reitora nacional, de 1994 a 2007).

Em jeito de conclusão, fica a recomendação da leitura da tese de doutoramento em antropologia “Missionários do Sul: evangelização, globalização e mobilidades dos pastores cabo-verdianos da Igreja do Nazareno” de Max Ruben Ramos, defendida no Instituto das Ciências Sociais da Universidade de Lisboa em 2015, Especialidade de Antropologia da Religião e do Simbólico.

A tese, que pode ser baixada da internet, tem como objectivo analisar as dinâmicas da mobilidade de missionários e pastores nazarenos cabo-verdianos para a África continental e Portugal.

Uma outra tese, esta em inglês, “The Church of the Nazarene in Cape Verde: a Religious Import in a Creole Society”, de João Mateus Monteiro, na área da Sociologia, defendida na Universidade de Drew em 1997.

____________________________________________________

Entre as letras, um porto de abrigo 

“O mar vagueia onduloso sob os meus pensamentos

A memória bravia lança o leme:

Recordar é preciso.

O movimento vaivém nas águas-lembranças

dos meus marejados olhos transborda-me a vida,

salgando-me o rosto e o gosto”

– Conceição Evaristo, escritora e poeta brasileira,

in Cadernos Negros, vol. 15

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1041 de 10 de Novembro de 2021. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Brito-Semedo,12 nov 2021 12:18

Editado porClaudia Sofia Mota  em  1 dez 2021 11:19

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.