São Vicente reivindica o futuro

PorNuno Andrade Ferreira,27 jan 2019 10:02

​Por ocasião do Dia do Município de São Vicente, o Expresso das Ilhas e a Rádio Morabeza ouviram diferentes vozes da ilha, à procura de um diagnóstico da situação actual, sempre de olhos postos no futuro. Entre o (in)conformismo e a reivindicação de mais atenção, pedem-se soluções.

São Vicente caiu no conformismo e está sem uma elite política própria, capaz de alterar o actual estado de coisas. A observação é de Alfredo Machado, que discorda da ideia de uma ilha condenada a esperar.

Para o habitual comentador de política da Rádio Morabeza, Mindelo não pode ficar dependente das “benesses” do Governo.

“Não temos uma elite em São Vicente capaz de associar a economia, a política, a cultura, para tentar alavancar esta ilha. São Vicente não pode estar à espera de benesses do governo central”, observa.

Alfredo Machado refere-se a uma situação de impasse.

“Culpar o MpD ou o PAICV não é ir ao fundo da questão. O fundo da questão é a nossa Constituição. Como é que foi elaborada uma Constituição que não contempla o arquipélago, com nove ilhas habitadas? Não se podia ter um Governo tão centralizado”, destaca.

Para o analista, Santiago dá cartas porque alberga a maioria da população, tem mais quadros e massa crítica interessada na política e na detenção do poder económico.

Para alterar o actual estado de coisas, Alfredo Machado propõe um lobby a favor de São Vicente, constituído por todos aqueles que se identificam com os interesses da ilha.

“Acho que é necessário que o pessoal de São Vicente se consiga unir. Acabar com essa luta contra Santiago. Agora, temos de deixar o tempo do carvão, dos ingleses, e ver concretamente o que podemos fazer para tentar criar melhores condições de vida e bem-estar. Apesar de que eu acho que São Vicente não está mal, porque quem vive de festa não está mal”, ironiza.

Também Roca Vera Cruz considera que a ‘Ilha do Monte Cara’ merece outra atenção. O gestor de empresas refere a existência de alguns focos de tensão social. A população quer ver acontecer.

“As pessoas querem mais, querem ver São Vicente a avançar. Nós vamos adiando as coisas e as pessoas estão a perder a paciência. Há muitos anos que São Vicente tem ouvido muitas promessas que não são cumpridas. Não é de agora”, recorda.

Perante vários projectos anunciados e nunca concretizados, o futuro antecipa-se entre a desconfiança e o optimismo.

“Estou a pensar nos projectos de Salamansa, de João Évora, que vai andando gota-a-gota, nos dois hotéis na Laginha, que ninguém sabe ainda quando e se vão acontecer, no Estádio Adérito Sena, que nunca mais recebe obras para receber os ‘Tubarões Azuis’, no terminal de cruzeiros, que não sei quando é que vai arrancar”, exemplifica.

Roca Vera Cruz acredita que a aposta deve passar pelo turismo, mas para isso são necessárias as tais infra-estruturas.

“Transportes inter-ilhas e transportes para o estrangeiro, porque há soluções a preços proibitivos e essas coisas têm que ser resolvidas. Temos que apostar na promoção da imagem de São Vicente lá fora. Temos muito mais coisas a oferecer do que somente praia”, comenta.

Periferias

Para lá dos grandes projectos, Samira Pereira ambiciona que o desenvolvimento de São Vicente englobe a ilha como um todo, ao invés de se limitar ao centro da Cidade do Mindelo.

Diz a gestora Cultural que é urgente incluir as periferias na equação e ouvir os anseios e dificuldades de uma população “feliz”, mas que vive com dificuldades reais.

“Não gosto de falar nesta história do marasmo, até porque não será a palavra mais adequada, mas é necessário olhar para fora do centro. O meu desafio é que as questões que têm que ser resolvidas possam ser resolvidas de forma inovadora. Desde o nível sanitário, saneamento público, oferta turística, conteúdos culturais”, concretiza.

Em concreto no plano cultural, Samira Pereira acredita na oportunidade de São Vicente ser um exemplo de sustentabilidade e inovação.

“Não propriamente a nível da oferta, mas relativamente à forma como trabalhamos. Acho que esse é um desafio que São Vicente deveria abraçar, para ser pioneiro, mais uma vez”, deseja.

Igualmente atenta à ilha para lá da ‘morada’, a socióloga São Delgado alerta para a necessidade de se mostrar a realidade que não vem nos postais.

“Se calhar, a nossa mudança de estratégia passa por deixar de mostrar apenas as coisas bonitas e focar naquelas que não o são. Começar a mostrar mais a nossa periferia, as nossas desigualdades sociais, o desemprego”, antecipa.

Consciente da importância da ilha no crescimento económico do país, São Delgado gostaria de ver 2019 como o ano do reenquadramento das políticas económicas e sociais.

“A mudança tem que partir de cima para baixo, porque em termos de sociedade civil São Vicente tem feito coisas para mostrar que é capaz. Precisamos que haja um enquadramento político, económico e social que facilite e faça com que os eventos e as iniciativas privadas locais tenham sustentabilidade”, remata.

* com Fretson Rocha e Lourdes Fortes

Texto originalmente publicado na edição impressa do expresso das ilhas nº 895 de 23 de Janeiro de 2019.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Nuno Andrade Ferreira,27 jan 2019 10:02

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 out 2019 23:21

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.