Paraíso Fiscal: Cabo Verde sai da lista da UE de jurisdições fiscais não cooperantes

PorExpresso das Ilhas, Inforpress, Lusa,18 fev 2020 16:10

O Conselho da União Europeia (UE) actualizou hoje a “lista negra” de paraísos fiscais não respeitadores das regras comunitárias, da qual Cabo Verde deixa de fazer parte este ano, por ter implementado as reformas necessárias antes do prazo acordado.

A informação consta de uma nota do Conselho da UE, citada pela Lusa, segundo a qual, além de Cabo Verde, foram retiradas da lista mais 15 jurisdições por terem conseguido “implementar todas as reformas necessárias para cumprir os princípios da UE em matéria de boa governação fiscal antes do prazo acordado”.

Entre os territórios excluídos este ano da “lista negra”, documento constantemente actualizado, constam Antígua e Barbuda, Arménia, Baamas, Barbados, Belize, Bermudas, Ilhas Virgens Britânicas, Cabo Verde, Ilhas Cook, Curaçau, Ilhas Marshall, Montenegro, Nauru, Niuê, São Cristóvão e Neves e Vietname.

Também em comunicado, o comissário europeu com a pasta da Economia, Paolo Gentiloni, observa que “a lista da UE de jurisdições fiscais não cooperantes contribui para melhorias reais na transparência fiscal a nível mundial”.

“Até à data, examinámos sistemas fiscais de 95 países, a maioria dos quais está agora em conformidade com as nossas normas de boa governação. Este processo levou à eliminação de mais de 120 regimes fiscais prejudiciais em todo o mundo e dezenas de países começaram a aplicar normas de transparência fiscal”, aponta Paolo Gentiloni.

Por outro lado, informa esta estrutura em comunicado que além das oito jurisdições que já estavam incluídas na sua lista de jurisdições fiscais não cooperantes, a UE decidiu também incluir as seguintes: Ilhas Caimão, Palau, Panamá e Seychelles.

Segundo a mesma fonte, estes quatro países juntam-se, assim, aos oito territórios que já constavam da lista e continuam em situação de incumprimento, isto é, Samoa Americana, Fiji, Guame, Samoa, Omã, Trindade e Tobago, Vanuatu e Ilhas Virgens Americanas.

O Conselho da UE explica que estes quatro países adicionados à lista “não aplicaram as reformas fiscais a que se tinham comprometido no prazo acordado”, até final do ano passado.

Em causa estão falhas na transposição para o direito nacional das regras pedidas por Bruxelas, em áreas como a transparência fiscal, tributação justa e actividade económica real.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress, Lusa,18 fev 2020 16:10

Editado porSara Almeida  em  19 fev 2020 11:47

pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.