Caso Amadeu Oliveira: CSMJ esclarece que rasura nos documentos resultou da correcção de um erro

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,9 ago 2021 15:08

2

A rasura nos documentos que registaram a distribuição do processo em que Amadeu Oliveira é acusado por 14 crimes de ofensa e injúria contra os juízes do STJ, não passou de correcção de um erro, esclarece o CSMJ.

Em comunicado, o Conselho Superior de Magistratura Judicial (CSMJ) adianta que após a denúncia da situação feita pelo próprio arguido, no decorrer do julgamento, realizado no mês de Fevereiro, na qualidade de órgão constitucional de gestão dos Tribunais e das Secretarias Judiciais, instaurou de imediato um inquérito.

“A constatação dessa rasura deu azo a suspeições de vária índole, havendo mesmo quem tivesse chegado a ver nessa ocorrência a prova de adulteração ou fraude”, lembrou o CMSJ.

Neste sentido, indicou que durante o inquérito conduzido pela Inspecção Judicial, foram realizadas todas as diligências de prova que se mostraram pertinentes, nomeadamente o exame do “Livro de distribuição”, de que se extraíram cópias autenticadas para serem juntas aos autos, bem como a audição de todos os intervenientes e interessados no processo de distribuição, incluindo o cidadão Amadeu Oliveira.

“Consultado o livro de distribuição, e analisadas outras provas colhidas durante o inquérito, verifica-se que o processo em que é arguido o cidadão Amadeu Oliveira foi objecto de distribuição por ‘sorteio’ no dia 22 de Novembro de 2018, sendo facto irrefutável que o mesmo coube ao 3º Juízo Crime”, refere o CSMJ, adiantado que no Tribunal da Comarca da Praia a distribuição de processos-crime abrange três Juízos: o 1º, o 2º e o 3º Juízos.

Entretanto, explica que “por mero lapso”, fez-se a observação de que esse processo tinha sido distribuído por “certeza” (termo usado quando num universo de três Juízos e dois já tenham sido apurados por sorteio, o terceiro fica também automaticamente apurado) o que só podia acontecer em relação ao processo que vinha a seguir na ordem de distribuição.

“Constatado o erro, o mesmo foi corrigido com o corretor. Assim, após exame exaustivo e rigoroso de todos os elementos à sua disposição, a Inspecção Judicial concluiu que a referida rasura, longe de consubstanciar adulteração ou fraude, não passou de correcção de um erro ocorrido no registo do procedimento da distribuição do processo em referência”, sustentou.

Por isso, adianta o CSMJ que esclarecida a situação, propôs-se o arquivamento dos autos do inquérito, o que efetivamente aconteceu.

O CSMJ avançou ainda que face a essa ocorrência, e à intenção de se reforçar a transparência e prevenir situações que possam dar azo a suspeições, decidiu emitir uma circular no sentido de se passar a fazer menção expressa de qualquer erro que tenha ocorrido no acto de distribuição de processos, bem como da correcção de que o mesmo tenha sido objecto.

Durante o julgamento, advogado Amadeu Oliveira, que colocou em causa a legitimidade da Juiz que o está a julgar, alegou que inicialmente o processo caiu no 2º juízo-crime, mas, posteriormente terá sido adulterado à mão, de forma “visível e tosca”, o número 2 referente ao 2º juízo crime para um confuso número 3 de 3º juízo-crime.

Na sua perspectiva, essa “adulteração” constituía uma violação do Direito Fundamental do arguido a ser julgado pelo Juiz Natural da Causa, conforme disposto no nº10 do Artigo 35º da Constituição da República.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,9 ago 2021 15:08

Editado porSara Almeida  em  20 set 2021 18:03

2

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.