Quatro municípios de Santiago nas últimas seis posições

PorJorge Montezinho,22 mai 2022 10:06

São Domingos, Ribeira Grande de Santiago, Santa Cruz e São Miguel estão entre os concelhos menos desenvolvidos. Porto Novo e Mosteiros completam o fundo da tabela. Estudo inédito sobre o Índice da Coesão Territorial revela grandes disparidades a nível económico, social e territorial entre os municípios cabo-verdianos.

Começamos pelos números. Apenas seis dos 22 municípios estão acima da média nacional, [indicador base: 100 pontos], Praia (165,5), São Vicente (136,4), Sal (128,2), Santa Catarina (126,0), Ribeira Grande (123,7) e Boa Vista (115,7). Dos municípios que estão abaixo da média nacional, todos os outros, destacam-se Porto Novo (83,4 pontos), São Domingos (82,9), Mosteiros (80,1), Santa Cruz (77,0), São Miguel (76,5) e Ribeira Grande de Santiago (75,4) como os últimos do ranking.

Promovido pelo Ministério da Coesão Territorial, em parceria com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o Índice de Coesão Territorial permite avaliar o desempenho de cada município no contexto do desenvolvimento nacional, assim como as disparidades de desenvolvimento entre os diferentes concelhos.

O conceito de coesão territorial, a nível global, engloba questões como o desenvolvimento territorial, questões estruturais, desafios territoriais e oportunidades a vários níveis geográficos para os diferentes tipos de regiões.

Em Cabo Verde, a coesão territorial tem sido preocupação dos diferentes governos, principalmente, na redução das assimetrias regionais e na promoção da convergência de todos os municípios e de todas as ilhas.

Um estudo inovador

Pela não existência no país de um indicador, a partir do qual se possa fazer um estudo comparativo da situação actual do desenvolvimento de cada município em relação aos outros e ao todo nacional e, da evolução temporal dos municípios, houve a necessidade de calcular um índice, no sentido de colmatar esta lacuna.

O estudo, entregue esta terça-feira ao Governo, teve como referência o ano de 2019 e baseou-se em 35 indicadores estatísticos oficiais nas dimensões económico, social e territorial [ver caixa] e está apto “a dar respostas às necessidades específicas na tomada de decisão em áreas políticas em prol do desenvolvimento dos municípios”, como se lê no documento.

A utilidade do Índice de Coesão Territorial é fornecer às partes interessadas uma ferramenta de planeamento de fácil leitura e com utilidade prática na preparação da estratégia de desenvolvimento territorial do país, em geral e, dos municípios, em particular.

Para a ministra da Coesão Territorial, Janine Lélis, citada pela Inforpress, o estudo vai permitir ao Governo traçar melhor um plano que terá em consideração “os níveis de desenvolvimento que se pretende e os níveis de bem-estar que se quer garantir aos municípios”.

Como exemplificou a ministra, apesar da ilha da Boa Vista estar acima da média nacional, com 115,7 pontos, as conclusões revelam que são necessárias mais infra-estruturas uma vez que o indicador territorial é baixo.

O presidente do INE, Osvaldo Borges, assegurou que o Índice da Coesão Territorial vai passar a ser apresentado, e publicado, anualmente e será importante para o processo de “formulação, seguimento e avaliação de políticas públicas nacionais”.

O Indicador Compósito de Coesão Territorial (ICCT)

O valor do ICCT do município é igual à média dos valores das dimensões (económica, social e territorial) no município [ver caixa dos indicadores].

O cálculo do ICCT foi um passo necessário para se poder calcular o Índice de Coesão Territorial (ICT), pois, o ICT é o valor relativo do ICCT, sendo: ICT = 100 corresponde ao ICCT nacional = 0,409.

O Município da Praia é o que se perfila em 1º lugar como o Município com o valor maior do indicador ICCT (0,676) e superior ao dobro do valor do indicador dos quatro municípios com valores do ICCT mais baixos: Mosteiros (0,327), Santa Cruz (0,315), de São Miguel (0,313) e Ribeira Grande de Santiago (0,308).

Os municípios cujo valor do ICCT se situa acima do valor médio são, por ordem decrescente: Praia (com 0,676), São Vicente (com 0,558), Sal (com 0,524), Santa Catarina (com 0,515), Ribeira Grande (com 0,506) e Boavista (com 0,473).

O Município da Brava com ICCT = 0,408 é o primeiro município cujo valor do ICCT se situa abaixo do valor médio, seguido do Município de São Filipe (0,399), Tarrafal (0,399) e Ribeira Brava (0,391).

Apenas três municípios (Praia, São Vicente e Santa Catarina) apresentam valores de todas as dimensões acima do valor médio. No pólo oposto (municípios com valores de todas as dimensões abaixo do valor médio em cada dimensão), estão Porto Novo, Tarrafal de São Nicolau, São Miguel, Mosteiros, Santa Catarina do Fogo e Ribeira Grande de Santiago.

Realizado pela primeira vez em Cabo Verde, o estudo do Índice de Coesão Territorial teve a duração de seis meses. Na conclusão, o estudo sublinha que “se no domínio social, nota-se alguns resultados positivos para a coesão, já no domínio económico e no domínio territorial, há grandes disparidades entre os municípios”.

image

LISTA DE INDICADORES SELECCIONADOS

DIMENSÃO SOCIAL

Densidade por divisão no Agregado Familiar (Número de pessoas do Agregado Familiar por divisão para dormir)

Índice de Juventude

Número médio de anos de estudos da população de 6 anos ou mais

Percentagem de Agregado Familiar conjugais nucleares

Percentagem de Agregado Familiar residentes em Alojamentos não Clássicos

Percentagem de alojamentos com água

Percentagem de alojamentos com electricidade

Percentagem de empregados do sexo feminino 20-64 no total de empregos de 20-64 anos

Percentagem de População (10 anos ou mais) com acesso à Internet

Percentagem de População (10 anos ou mais) com acesso ao Computador

Percentagem de População Pobre

Profundidade NEET15-35 (PopNEET15-25/População Total)

Proporção da população residente em zonas urbanas (taxa de urbanização)

Taxa bruta de escolarização do Ensino Secundário

Taxa de abandono escolar geral no Ensino Básico

Taxa de abandono escolar geral no Ensino Secundário

Taxa de alfabetização de 15 anos ou mais

Taxa de desemprego 20-64 anos

Taxa de desemprego geral

Taxa de subemprego

DIMENSÃO ECONÓMICA

Consumo per capita (como Proxi de PIB por concelho)

Densidade das empresas activas (número de empresas activas por 1000 habitantes)

Índice (Taxa) de dependência dos idosos (pop 65 anos ou mais/Pop 15-64)*100

Índice de renovação da população activa (População entre os 20 e os 29 anos/Pop 55 e os 64 anos)*100

Número empresas com NPS >= 10 (empresas com pelo menos 10 pessoas ao serviço)

Percentagem da população com emprego não agrícola

Percentagem de Empresas Dissolvidas

Percentagem de Micro empresas (repartição no total de empresas)

Percentagem de População 25-64 anos com formação superior

Percentagem de população com emprego informal

Taxa bruta de escolarização no Ensino Superior

DIMENSÃO TERRITORIAL

Densidade de Estradas de 1ª, 2ª e 3ª Classe no Concelho

Número de Camas hospitalares por 100.000 habitantes

Número de estabelecimentos de Ensino Superior por Município

Rácios alunos/sala (Ensino Secundário) 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1068 de 18 de Maio de 2022.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Jorge Montezinho,22 mai 2022 10:06

Editado porSheilla Ribeiro  em  12 ago 2022 23:29

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.