Jorge Carlos Fonseca quer mobilidade cultural plena na CPLP

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 out 2019 7:47

​O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, sublinhou quinta-feira a importância dos festivais literários para atingir a mobilidade cultural plena na Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP) até ao final da presidência do país, em 2020.

“Estamos a fazer uma grande batalha em prol da plena mobilidade no espaço da CPLP, para que ela seja mais do que uma comunidade de estados uma comunidade de cidadãos, de pessoas e de povos”, disse.

O chefe de Estado, que presidiu à abertura do Folio – Festival Literário Internacional de Óbidos, Portugal, sublinhou a importância dos eventos em torno da literatura para atingir o objectivo de “mobilidade plena” na CPLP, a que Cabo Verde preside no biénio 2018/2020.

Até Julho de 2020, data em que termina a presidência de Cabo Verde, a meta de Jorge Carlos Fonseca é atingir “100% [de mobilidade]“, através da assinatura de acordos com os nove países da CPLP para a criação de “uma espécie de um mercado livre cultural, onde haja livre circulação de escritores, artistas, produtores, editores, livreiros, artesãos” e de todos os bens culturais.

O Presidente falava à Lusa, em Óbidos, depois de, no discurso de abertura do Folio, ter afirmado que “escritores e artistas são um dos pilares que mais sustentam a ideia de uma CPLP feita de povos para os povos”.

A mobilidade das pessoas foi, segundo o Jorge Carlos Fonseca, um dos objectivos da actual presidência da comunidade, cujo caminho “passa por estender pontes” entre os vários países, “para que os fazedores de cultura, os criadores, artistas, promotores, agentes culturais” beneficiem da livre circulação dos bens culturais.

“As nossas sociedades são ricas culturalmente” afirmou, considerando que é através desse “núcleo [cultural] sólido que a comunidade lusófona se poderá também afirmar no mundo".

A CPLP tem como Estados-membros Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e a Guiné Equatorial

Jorge Carlos Fonseca, que é também escritor e poeta, participa no Folio até sábado, a convite da autarquia de Óbidos.

A 5.ª edição do festival abriu portas na vila onde, durante 11 dias, decorrerão mais de 210 iniciativas em 450 horas de programação, para reflectir sobre “O Tempo e o Medo”. Até ao dia 20, mais de meio milhar de convidados de quatro continentes participam nas 16 mesas de escritores, 12 exposições e 13 concertos, que compõem a programação.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 out 2019 7:47

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 out 2019 14:19

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.