ICIEG destaca evolução positiva da representatividade da mulher nas câmaras municipais

PorSheilla Ribeiro,9 fev 2021 7:35

A representatividade da mulher nas câmaras municipais “alterou-se substancialmente” em prol da paridade, com 40,6% das vereadoras eleitas e 59,4% dos vereadores eleitos, segundo um balanço da lei de paridade nas autárquicas 2020, divulgado hoje pelo Instituto Cabo-verdiano para Igualdade e Equidade do Género (ICIEG).

“A mesma tendência verificou-se para as Assembleias Municipais, sendo 41,8% eleitas e 58,2% eleitos para cargos de deputado municipal. Portanto, a nível nacional cumpriu-se a lei da paridade”, lê-se.

O país registou, em termos de representatividade das mulheres nas Autarquias Municipais, um total de 200 mulheres e 280 homens, correspondendo a 41,5% e 58,5%, respetivamente.

“O balanço que neste documento se faz permitiu tirar algumas ilações que, no geral, recai sobre o cumprimento da lei na elaboração das listas, de modo a seguir a lógica alternada entre os sexos. São resistências relativamente normais e que devem ser compreendidas no seu contexto”, refere.

Por isso, explica o ICIEG, a própria Lei de Paridade prevê no seu artigo5º, a notificação para correção das listas nos termos fixados na lei eleitoral aplicável. Um outro aspeto tem a ver com o cumprimento do artigo 4º da Lei da Paridade, que aponta para a constituição dos dois primeiros lugares ocupados por sexo diferentes.

Isto porque, se a constituição das listas não seguir a lógica alternada entre os sexos tende a eleger os primeiros listados que são maioritariamente homens.

Neste sentido, o ICIEG recomenda sensibilizar os partidos políticos e os grupos independentes para a constituição dos dois primeiros lugares ocupados por sexo diferente, para que a ocupação dos cargos de decisão seja paritária e para que também a constituição das listas siga a lógica alternada de nomes por sexo diferente.

Entre outras recomendações, o instituto sugere sensibilizar as mulheres para uma participação política mais efetiva de modo a estarem nos cargos de decisão e promover a formação contínua sobre os princípios e normas mínimos de organização.

Entretanto, hoje o ICIEG reúne-se com os partidos políticos, para projectar a paritária nos próximos embates eleitorais, uma vez que quer ver superados os principais desafios que podem por em causa a plena aplicação da lei nº68/IX/2019.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Sheilla Ribeiro,9 fev 2021 7:35

Editado porSheilla Ribeiro  em  10 fev 2021 0:02

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.