GAO revê crescimento do PIB em alta

PorAndre Amaral,21 nov 2022 10:17

Grupo de Apoio Orçamental (GAO) terminou mais uma missão em Cabo Verde e anunciou a revisão em alta do crescimento do PIB para este ano.

Segundo o comunicado do GAO o PIB nacional deverá crescer “pelo menos 8%” contra os 4,5% anunciados inicialmente.

A revisão em alta do crescimento do PIB será, segundo refere o GAO, impulsionado “pela normalização gradual dos fluxos turísticos”.

No entanto, alerta o GAO, “a incerteza quanto à evolução global permanece elevada”.

“Os principais factores de risco a médio prazo são a guerra da Rússia na Ucrânia, as novas variantes do vírus COVID-19 e a elevada exposição de Cabo Verde a outros choques externos, incluindo os relacionados com as alterações climáticas”, prossegue o GAO no comunicado a que o Expresso das Ilhas teve acesso.

Assim e ainda segundo o comunicado do Grupo de Apoio Orçamental, “uma eventual escalada e prolongamento da guerra da Rússia na Ucrânia poderão levar a uma desaceleração global e a pressões inflacionistas mais elevadas, impondo um apoio continuado do Estado para mitigar o impacto nos preços da energia e na segurança alimentar”, factores que levam o GAO a reiterar a “importância de adoptar mecanismos melhor direccionados para assegurar que as medidas de mitigação das pressões inflacionistas bens alimentares e na energia sejam dirigidas aos segmentos mais vulneráveis da população”.

O GAO lançou ainda o apelo para que o Governo avance com a consolidação fiscal por forma a diminuir o rácio da dívida sobre o PIB. “O reforço da mobilização de receitas internas é crítico neste processo. A este respeito, os parceiros do GAO encorajam o Governo a rever e racionalizar os incentivos fiscais, a fim de assegurar que o compromisso entre a perda de receitas fiscais e a atracção de investimento seja parcimoniosamente considerado. O GAO congratula-se com o reinício do processo de reestruturação de várias Empresas do Sector Empresarial do Estado (SEE), incluindo a concessão da ASA, e reitera a necessidade de continuar a melhorar a supervisão dos SEE, reduzir os riscos fiscais, aumentar a transparência da dívida, e limitar o apoio financeiro ao sector do SEE”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Andre Amaral,21 nov 2022 10:17

Editado porAndre Amaral  em  22 nov 2022 11:52

pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.