25 Abril: Governo lança comemorações para reafirmar “Tarrafal nunca mais”

PorExpresso das Ilhas, Lusa,18 mar 2024 14:37

O Governo apresentou hoje o programa de comemorações dos 50 anos do 25 e Abril e da libertação dos presos políticos do Tarrafal, como forma de dizer “não” a qualquer limitação de liberdades no mundo.

“Fazemo-lo também com esta ideia: Tarrafal nunca mais. A frase que ecoou pelo período revolucionário do 25 de Abril”, em contraste com o que disseram, “tristemente, alguns candidatos nas legislativas [deste mês] em Portugal”, disse Abraão Vicente, ministro da Cultura de Cabo Verde.

“O Tarrafal não pode ser nomeado em nenhuma nova tentativa de trazer o fascismo, o totalitarismo, quer para Portugal, quer para outro território. E cabe-nos a nós, com estas celebrações, encerrar definitivamente qualquer devaneio público, de qualquer político”, acrescentou.

"[Hoje, o Tarrafal é] um espaço de memória, um espaço museológico, um espaço de reflexão e de diálogos, nunca mais um espaço onde a nossa dignidade humana seja posta em causa”, declarou.

Bruno Fialho, presidente do Alternativa Democrática Nacional (ADN), partido português sem representação parlamentar, defendeu, numa entrevista durante a campanha para as eleições legislativas em Portugal, que alguns crimes e figuras deviam ser punidos com penas no Tarrafal.

Abraão Vicente falava numa conferência de imprensa, na Praia, ladeado pelos embaixadores de Portugal e da Guiné-Bissau, co-organizadores das comemorações, juntamente com Angola, países de origem dos presos políticos.

Paulo Lourenço, diplomata português, adiantou que o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa já aceitou o convite de José Maria Neves para estar presente na cerimónia de 01 de Maio, para a qual também foi convidado o Presidente angolano, João Lourenço.

Ibrahima Sanó, embaixador da Guné-Bissau, disse hoje que o Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, também já aceitou o convite que lhe foi endereçado.

O cinquentenário será a última data marcante em que será possível contar com o testemunho de viva voz de alguns dos presos, devido à idade avançada, destacou Ana Samira Baessa, presidente do Instituto do Património Cultural (IPC), ao apresentar o programa.

Os testemunhos farão parte de um simpósio internacional marcado para 09 de maio, sendo que Cabo Verde já fez 12 convites e a Guiné-Bissau procura levar ao arquipélago alguns dos sete antigos presos ainda vivos.

O programa inclui várias actividades: logo no dia 25 de Abril haverá uma conversa aberta com investigadores de Portugal e de Cabo Verde e no 01 de Maio, dia da libertação do Tarrafal, vai ser aberta uma exposição sobre a memória dos presos.

Visitas guiadas, um concurso para escolas, publicação de um livro e espetáculos – incluindo um festival de encerramento – serão partes de um programa que pretende ser um convite para a reflexão, que contribua para a liberdade, referiu Ana Samira Baessa.

O antigo Campo de Concentração do Tarrafal foi construído no ano de 1936 e recebeu os primeiros 152 presos políticos em 29 de Outubro do mesmo ano, tendo funcionado até 1956.

Reabriu em 1962, com o nome de "Campo de Trabalho de Chão Bom", destinado a encarcerar os anticolonialistas de Angola, Guiné-Bissau e Cabo Verde.

Ao todo, foram presas no "campo da morte lenta" mais de 500 pessoas: 340 antifascistas e 230 anticolonialistas.

Numa lápide evocativa erguida no interior do campo, estão inscritos os nomes de 36 pessoas que morreram no campo: 32 portugueses, dois guineenses e dois angolanos.

Após a sua desactivação, o complexo funcionou como centro de instrução militar, desde 2000 alberga o Museu da Resistência e em 2004 foi classificado Património Cultural Nacional e integra a lista indicativa de Cabo Verde a património da UNESCO.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,18 mar 2024 14:37

Editado porAndre Amaral  em  20 jun 2024 23:28

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.