Fundação Amílcar Cabral submete escritos de Amílcar Cabral ao Registo da Memória da UNESCO

PorExpresso das Ilhas,1 mar 2018 10:50

Capa de uma edição de "Textos Políticos"
Capa de uma edição de "Textos Políticos"

A Fundação Amílcar Cabral (FAC) pretende a inscrição de textos de Amílcar Cabral no programa da UNESCO que trabalha para a preservação do património documental mundial.

A candidatura ao programa Memória do Mundo da UNESCO é um dos principais pontos no plano de actividades da instituição para o biénio 2018-2019, pretendendo a FAC garantir assim a máxima valorização, preservação e digulgação dos escritos do líder histórico da luta pelas independências da Guiné-Bissau e Cabo Verde.

“Trata-se de uma iniciativa audaciosa e pioneira em Cabo Verde, prenunciando uma empreitada trabalhosa, mas ganhadora”, diz a nota enviada pela Fundação, que desde 2015 mantem um núcleo museológico dedicado ao Herói Nacional com o fim de “dar a conhecer às gerações mais novas, assim como aos turistas que visitam a cidade da Praia, a história da luta de libertação nacional, liderada por Amílcar Cabral, através de uma exposição fotográfica permanente, de vídeos com testemunhos de companheiros de Amílcar Cabral, bem como da exposição de objectos pessoais dele”.

Amílcar Cabral é considerado por estudiosos e historiadores como um dos mais brilhantes e fecundos líderes dos movimentos contemporâneos de libertação nacional de África. Deixou um considerável e importante acervo de textos em diferentes géneros, desde ensaios a correspondências, poesia e outros, tendo como temas assuntos diversos e que hoje se encontram publicados e traduzidos em vários países.

A própria FAC, que zela pela preservação da obra e memória do seu patrono, editou as seguintes obras de e sobre Amílcar Cabral: “Unidade e Luta (Vol. I e II)”, “Pensar Para Melhor Agir”, “Cabo Verde: Reflexões e Mensagens”, “Ensaio de Biografia Política”, “Por Cabral Sempre” e, mais recentemente, “A Emergência da Poesia em Amílcar Cabral”.

O Programa Memória do Mundo da UNESCO foi criado em 1992 com o objectivo de identificar e preservar documentos e arquivos de grande valor histórico.

Até 2017, a Memória do Mundo contava com 427 documentos, de todos os continentes, entre os quais a Bíblia de Gutenberg e a partitura original da 9ª sinfonia de Beethoven, o Tratado de Tordesilhas e o Arquivo de Arquitectura de Oscar Niemeyer.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,1 mar 2018 10:50

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  13 nov 2018 3:23

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.